terça-feira, 24 de dezembro de 2013

-O PER.VERSO POLIMORFO- À Satan!










“Ser animado em graça e bem profundo
que nos visitas por este ar perverso
a nós que demos nosso sangue ao mundo:”(Dante-Inferno-CantoV)

§Fala o Per.verso Polimorfo! :

Meu pipi no seu popô
Foi o que o cristianismo
Me ensinô!-

Imagens miragens viagens viadagens
Vontades veleidades vantagens
Sacanagens!
Vicissitudes vícios vacilantes voláteis

Meras sensações táteis.
Merdas de emoções fáceis.

Infundiu..
Piva Previu:

(Parlou prédios
-Tédios & assédios
Palácios &palhaços
Praças &piazzas-)

“O leitor é um puto
O leitor quer dar & tem medo

O leitor é um hipócrita
Irmão de Baudelaire”
(sic.)

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

Prego! Pego o encéfalo
O bucéfalo, o..ah! nem..céfalo
-nem te falo-nem meu falo-

Prego desprego o desap®ego

§Pragejou Per.verso Polimorfo-

Reprego o crisTo na cruZ!
!!!E que volte pra Pandora que o Pariu!!!

Foi Chardin -um dos seus-
Que propôs a charada,
‘A charada de Chardin’:

Salvou-nos de quê mesmo?
Salvou nos nem de nós mesmos!
( fi(n)camos aqui perdidos a esmo)

Fique aí pregado na cruz
-Mito que o idiota-idólatra-adota-
Seduz|reduz-reluz-!?

Agora cá.bra pra nós..
Se sesse macho memo reapareceria sem medo,
Salvaria-(n)os do degredo; da morte; da miséria ; da melancolia,
estes entes sim que creem na fome-rezam na dor-comem na fonte_restam a dor..todos os malditos santos dias_nas vielas vilas vidas vindas bem vindas periferias_

§Fala(baixo) o Per.verso Polimorfo:
(..confesso-lhes otários talvez um dia um fiel perdulário disse uma verdade sequer a um de seus notários..)

§Fala(alto, quase gritando) o Per.verso Polimorfo:

Perái pensando primeiramente- veio-me no veio da mente-:

Mentes!, pois pariu como?
Se não houve sementes
Se a ela, Maria -a donzela-,
ninguém não; comeu não?!

A má.donna jura qé virge imaculada!?
(como as mais de 666 de quem Bathory bebeu; seu sangue plebeu.)

?Sarta fora então Macacada!
Qéssa(h)istórinha é furada-

Pense! A bicha era da periquita costurada..
Inté pra sê puta tava lascada!

Deu a luz só se foi à..
Lú(Z)cifer?!

Conta outra Má.ria
Vá.dia des.arrombada!

§Fala um marmAnjo decaído:

Esconjuro !!! Filho de Satanás !?!

§Replica o Per.verso Polimorfo:

Sim!, és com juros!
Com juros e correção monetária!!!

(Jah que o banco do vaticano não me serve nem para sentar:
Tomemos então em pé –Ó filhos do Cão!(Do caos)?

..louros ouros couros mouros tesouros -tesudos tresluzentes-
& Sucos de besouros_

Lucros&Dividendos

Divinos Dedos
Divido Deuses

Divinos Dildos
Divinos Dízimos

Divinos istos
Divinos aquilos

Divinos dízimos divididos-

Divinos Demônios
Divinos Aquinos
& Indivíduos homônimos!

Dê me 10% de tudo
Que não tem-
E ficarei com 100% do que jamais terás!
(regra do jogo)
Tema/Trema/Temerário
-Recuso me a rimar com Templário da Companhia de Je$u$-

Cu.migo é assim! Sem migo é ainda pior!!!

Meto à física
Meto a pica
Meto a tia
Meto à tísica

Meto a língua
Meto a linguística

Meto a dona
( metadona tomo uma inteira+ uma metadona)

Só sofro feliz com o cheiro do ralo, do abismo, do abuso & do absinto!
Monto a lona do circo e esCUlacho o palhaço!

Pau no Palhaço!!!Pau no Poeta!!!Pau no Pai!!!Pau no Padre!!!Pau no Profeta!!!

Sou metido à besta
Sou meia besta e meia!

Sou irmão e irmã -imã de Arimã-

O primogênito onisciente
Rabo e chifre aparente
Hipocrisia-eucaristia ausente

§Fala(norma(l)tivamente) o Per.verso Polimorfo! :

És Beth-Zebul!
És Belo!!!

És tu teu próprio Satânico Soberbo Sôbolo Soborralho Soberano Satánas!?

-Sentenciou Sirácida-
‘És tu ário’_do bem e do mal_
diurno noturno diário

§Falarei também eu, de fora do tempo, disse ainda o Per.verso Polimorfo:

Madres pedólatras
Padres pedófilos
(vícios filhos dos ócios, primos dos ódios)

Orgia regaça regal regala regada em vinho
Francófono.

Festas feias feitas de destroços
Alegria alimentada por desgostos
Cama de cal calcada por ossos!

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

§Falar-ei de fora do templo!

§Falar-ei todo o tempo!!

§Falhar-ei todo o tempo!!!

§Esperar-ei a morte do tempo!!!!

§Quebrar-ei as colunas do vento_

§Rasgar-ei as asas dos anjos!

§Puxar-ei os pés dos arcanjos!!

§Afiar-ei os tridentes-

§Gozar-ei nos crentes-

§Cagar-ei nas cruzes e nas cabeças dos malditos filhos que produzes_

§Sodomizar-ei padres, papas e pastores

§Rir-ei de suas preces e suas dores

É sim!, o que almejo!
Como a água almeja o Tejo!!!
Como a fé almeja o ensejo..

§Fala um m.arcano bobeira:

Extrema Unção!
Credo em Cruzes!!

A cruzada sem cruzes?
A cruzada com cruzes de cabeça pra baixo?
A cruzada sem pé nem cabeça?
A cruzada às avessas; afinal?!
A cruzada final da fé
A cuzada das fezes!?!

O fim afinal ao final_

§Fala o perfeito Per.verso Polimorfo

Somatizar-ei traumas rancores
Ódios de todas matizes
Todas as cores!

Culpas desculpas
Meias, calças, meias-calças,
Meias verdades inteiras
Meias-culpas..

§Fala(por fim) o Per.verso Polimorfo! :

Confessionário?!
Pia Batismal -cheia de pó, cheia de pórra-

Confesse ordinário
Confessiotário?

Genuflexório
É exício
ou
Exercício
Pra chupar Pau?!
_é pau é pedra, mas não é o fim do caminho_

§Fala enfim, em começo, por verso o Per.verso Polimorfo

O Sabbat negro
Ouço desde
Muito cedo

É pesado o metal
Com que se funde
O medo

Só ficou o tronco
Da árvore gineco(i)lógica
Daquelas graças
Raças
Desgraças..

Feitos à imagem
E semelhança
De alguém
Que nunca
Se viu!

Prefiro crer
Que qualquer puta me pariu

Verossimilhança e verdade
Nas sa(n)gradas escrituras
Não andam de mãos dadas

Poema ‘meo concreto’
Poema estratagema
Poema em Tel-aviv
Poema em Cartagena

Poema em Sodoma
Poema em Gomorra

Poema em vida
Poema até que eu morra!

Poema tema
Poema reto
Poema redondo
Poema quadrado
Poema isolado

Poema incômodo
Poema em cubo
Poema incubus
Poema in mundus
Poema imundo
Poema em tudo!

O que se diria do homem médio
Hoje na cidade?
(na falsete falsidade)

Se farto do que dizem; digo!:
Se Fausto foi um fraco
Confundindo-se
Com o nada..

Arriscando-se em verdade_

Mefistófoles não leu Sófocles!?

Cito Goethe com Goestho!

“Atormentar os homens é só o que pretendo,
E o homem será sempre um grande bobalhão,
Como no dia primeiro em que houve a Criação! (Fausto|Mefistófeles-prólogo no céu)

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

-O Fim está tão próximo que aqui está-!?




segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

VIVO_MORTO_



Cleônidas, das, para os amigos do templo hare-krsna, nidas, para os colegas da pelada, Cleo para a mãe, filha e irmãs..foi declarado morto nesta segunda feira, véspera de natal, pela manhã, logo depois da pelada -de natal-, tinha feito um gol e meio, deixado passar ao menos umas dez vezes esse número e marcado um pênalti, contra seu time, o que de todo não impossibilitou-os de ainda assim vencer a partida, partida ao meio- 45 minutos pra um lado, outros 45 pro outro-..Venceram por 1 ½ à O, esse meio tendo sido um gol em desacordo-desagrado que se resolveu o desagravo em deixando meio ponto de desvantagem pro time perdedor, compreenderam?

Eu não, nada entendo ou aprecio no futebol, mas enfim que diferença pode fazer, a mim e a tu ou a um tatu, se o único que poderia levar alguma com tal resultado consta nos quadros dos obituários desta vila estuário..Pra nidas nada mais valeria, seu jogo terminou em OxO..Contudo como, como mosca, mas não como as palavras, a mim estas não faltam, abundam, falo pelos cotovelos, pelos pelos, pelos contrários, pelos novelos, pelos joelhos; 'falo pelas bundas'..Cleônidas teve sua prorrogação!

Quase imediata reencarnação re-encenação..

Enterrado, desterrado deitado em paletó de mogno, sua filha falara de sua ternura pegando em seu braço quente no morno velório que obteve, óbito teve..declarado por um jovem médico descarado que depois veio-se saber haver ter sido um desses tantos que compraram seu ingresso do Mec, via Enem, com ao auxílio luxuoso de alguns contatos e assinatura de alguns contratos, afinal trato é trato! Mister dizer que o fez como se adquirisse seu passaporte para os jogos da Fifa-World CUp no brazil-2014, e; como já comprou tantas vezes para apoiar-idolatrar testosteronizar testar e assegurar seu lugar naquilo que sua sociologia lhe competia, nos estádios desse brasil baronil e varonil.(Desobrigo-os de ler esta parte desnecessária em que comentarei ter sido Rodrigo, o doutorzinho, um dos que revoltados, ojerizou hostilizou, sua hóstia empunhou, contra a vinda de médicos Cubanos..humanos de uma maneira genérica geral, para o país que a ele pertence.)

Dado a ficha clínica do profissional em questã!?, resta nos lembrar que a filha de Cleo sentiu seu braço ainda quente, saindo da sala peremptoriamente para efetuar uma chamada, prontuários em mãos..

§Olá!? Meu nome é Cleonice, falo a respeito..- palavra errada, a palavra aqui empregada deveria ser desrespeito ou despeito-, do prontuário de nº xxxxxxxxxxx

§Sim, pois não..suprimo supino suspendo detalhes dialéticos deícticos desnecessários..

§Vivo?

§Sim, quente!

§Não é possível..


§Só o impossível acontece o possível apenas se repete. GRAPETE_respondeu com um poema de Chacal, detalhe nada banal-

Desligou o headfone uma e o telefone a outra, outra coisa séria seria morto morno num natal chuvoso e úmido, lábios da cor de um chester saído do forno, ou de pêssego japonês!, se aprouverem, aprovo eu.

Vencida, temerosa de estar em seu delírio alucinadando em um profundo pesadelo, perguntou pegando na mão agora do coveiro:

§Sinta!Inda quente!?!

§É você, minha filha, que sua, é o orvalho que cai do carvalho sobre a sepultura, que cai do céu sobre nós, quente e úmido; chuva de verão..

§Inda vive!, disse num grito abafado-desesperado, perdendo as forças pendendo o corpo para o lado..


Conquério de Assis -o coveiro-, morava no cemitério, costume antigo, e por antídoto à vida já havia visto de tudo..
Bêbado como um cônego, -sem metafísica e sem estilo-, voltou na sua triste noite feliz, à sepultura, que por via das dúvidas deixara tampada, mas sem massa, de todo tanto chovia que não havia cimento que secasse..e, detalhe que só a ti contarei, deixou também do caixão as tarrachas soltas; dúvida cristãlina o devorava.

Enebriado pela fé, pela ressurreição do cristo ou do anticristo, tanto faz, embriagado pelo álcool, à cova, lá foi tirar sua dúvida, sua dívida com a pobre filha que em um primeiro momento não ajudou, poder-se aí incluso dizer: desconfiou.
Matuto que sempre o foi, esse estratagema montou e lá estava para conferir se a armadilha de defunto funcionara?!

?!Nada!?, tampo quebrado, féretro cheirando a fezes..



MORTO_VIVO_



Cleo bebera uma garrafa de chapinha que na encruzilhada da esquina de baixo do cemitério se encontrava, não fumava, todavia ali fumou dois belmonts –vermelhos- acessos com um fiat-lux ainda meio molhado, capengou direto e certeiro com um morteiro em direção a residência do doutor que na vila fazia sua residência..Solteiro, abastado e abestado o bastardo, vivia num sítio a pouco quilômetros do cemitério que se encontrava já mais a saída do pequeno município..Sem família sendo rico, mas feio e antipático, dormia sozinho sono profundo, depois de 'ceiado' e chapado com os colegas do hospital geral municipal em festa natalícia da-na instituição..

Foi fácil entrar e quebrar a mesma garrafa de chapinha, e torcer a ponta fundo na garganta, na cabecinha repousadinha ao lado de bonita escrivaninha onde rebrilhava um relógio daqueles em que uma galinha fica ciscando o chão ao despertar..Nunca mais aquela galinha ciscaria outro grão, um só grão sequer, se queres saber!?!

Não me perguntem como Cleo se arranjou para transportar de volta a seu ataúde o corpo, este eterno alaúde que não mais ressoa, para seu sono eterno-etéreo..

O que sei dizer foi do espanto de Conquério, pois isso, todos souberam, ao abrir o cemitério e ver a massa molhada ainda escorrendo do tampo quebrado-recolocado com todo carinho, todo cuidado..

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

SOWETO! à Nelson Mandela_

Não sou branco
Não sou preto
SOUL.ETO?

Para limpar o cesto_

Palimpsesto;
Palimpsétimo;
Palimpoitavo;
Palimpnono;
Palimpdécimo;

OQ daí passar,
Não é poesia!?
É descrédito?!

Angú.s_tia da influência!?

BLOOM!
Explodir-Ei

Toda tradição!

Traduzir-Ei
por traição!!

C´om cuzinho
escrever-Ei
versinhos_

Ao inverso;

Com angústia-

Cozinhar-Ei
angús pra todas as tuas telúricas tertúlicas tias

Com pitada da influência
da ironia_

Pois se linguística
é ciência?!

POE é POEsia!!!

Se teoria
é inferência?!

Poesia
é impaciência.


"Não. Exige revolta." _À Camus_


sí.Sísifo.sisifudeu
sí.Sísifo sesse jud(Eu)

Pra onde iria?!

sí.Sísifo sesse judia
quem ajudiaria?!

sí.Sísifo sesse_HOJE!?

A pedra ele fumaria!!!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Ponto G!

Gozei
Gostoso

Gozei
à guisa

Gozei
a rodo

Goza
Garoa

Goza
Garota

Goza
Garoto

Goza
gostoso

Goza gozoso

Goza a ladra
Goza a juíza

Goza a cabra
Goza a cabíria
Goza a calábria

Goza a Tunísia

Goza à guisa

Goza
a larva

Goza o escafandro
Goza a borboleta
Goza o gafanhoto

Goza garoa
Goza garota
Goza garoto

Goza o escudo
Goza a espada

Goza o sofá
Goza a almofada

Goza o tapete
Goza a tomada

Goza o espúrio
Goza o expurgo

Goza a farsa
Goza a falta
Goza a fada
Goza a faca

Gozei gostoso
Gozei com gosto
Gozei com gozo
Gozo gonzo-

Gozei abril
Gozei maio

Gozei na cara
da casa do caralho

Gozei junho
Gozei julho
Gozei juro!
com juros
até
agosto

Gozar dá gosto!

Goza o cachorro
Goza o gato
Goza o pato
Goza a galinha

Gozei à vista
Gozei a prazo

Gozei na vista
Gozei no talo


Goza a gostosa
Goza a magrinha

Goza a tia
Goza a filha
Goza a afilhada
Goza a sobrinha

Goza o guarda chuva
Goza o guarda
Goza a chuva

Goza a sombrinha

Goza o gatão
Goza o ladrão

Goza o explorado
Goza o patrão

Goza o nerd
(aqui só não goza o ursinho teddy)

O gozo é o gosto
que dá ao prazer
a fama inteirinha

Goza a irmã
ao repetir
a ladainha

Goza a batista
Goza a metodista
que creem na palavra
linha por linha

Goza o liberal
Goza o porco
chauvinista

Goza o luterano
Goza o calvinista

Goza a mulçumana
(afinal é humana)

Goza a protestante
Goza a baranga
Goza a bacante
Goza a bacana
Goza a mendicante


Goza a casta
Goza a vagabunda
(gosta na bunda)

Goza a vassala
Goza a rainha

Só não goza
a vida,
a humanidade
inteirinha..

Proibido Rimar! À Cícero_e ao dep. francês-colegiado discentes docentes fale-ufmg_

Apre(e)ndi só hoje
na palestra da
grande tradutora

Inês Oseki Depré-

Além de que os francófonos daqui
são mesmo frangófonos cacarejantes

-pedantes-peidantes-arrogantes
ontem, hoje e mesmo dantes-

(pseudo intelectualidade
o mal da humanidade)

Aprendi enfim
que a rima na poesia
contemporânea

Não é bacana
-mentalidade de colônia-

Rima na poesia é coisa do povo
de periferia, de gente que ri..

Eureka!

Entendi então
num supetão

por burrice
por comparação

A minha poética!!!

Ex-Aristocrática,

Alegre&Sorumbática

Rimo por raiva
por provincianismo
animismo

-amimmismo-

Rimo
Por tática!

Não sou prosa
Sou pobre!!!

-disso já sabia-
(Aspasia)

Douta doutora
douro a pílula, mas
confesso-lhe:

Fiquei
Depré..





segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

COMA + CARNE_HUMANA!

Teorias Viajantes: “relato de viagem” em cinco “atos”!?



“As teorias passam, mas as verdades necessárias devem subsistir”–Renan.–

1-“Influxo externo”: da inferência machadiana ao teorema schwarziano.

A primeira inferência que me vem ao tresler o texto indicado de Machado, é a de uma viagem de teoria poética-política que transitou do monarquismo à república, do romantismo ao realismo e da europa para o brasil:

“Na falta de quem conjugue o ideal poético e o ideal político, e faça de ambos um só intuito, a saber, a nova musa terá de cantar o Estado republicano.”

Quando Machado remete a Victor Hugo e Baudelaire transladando-os às nossas terras em um Mariano de Oliveira ou em um Valentim Magalhães não é só sobre a “probidade da justiça” ou em relação direta ou indireta destes ou daqueles ao ideário monarquista ou republicano, naturalista ou romântico, mas sobre tudo expressa dejá a questão da viagem de teoria em nossas plagas.
Lemos destarte, no texto de Schwarz, a questão da “disparidade entre a sociedade brasileira escravista, e as idéias do liberalismo europeu” e define tal, por: “comédia ideológica”. Exemplifica e amplifica a questão ao incluir a proibição constitucional (1824) a pratica do favor, outra das bases do desenvolvimento, para não dizer a base do envolvimento, político social no Brasil, desde então. Refletido, ainda nos dias de hoje, como um sol que nunca se põe.

Ou como quis Sérgio Buarque de Holanda:

“Trazendo de países distantes nossas formas de vida, nossas instituições e nossa visão do mundo e timbrando em manter tudo isso em ambiente muitas vezes desfavorável e hostil, somos uns desterrados em nossa terra”

Devemos levantar proposições correlatas e que foram discutidas por nós em sala de aula a cerca da veracidade e da atualidade destas questões que parecem desde sempre fazer parte de nossa historiografia, uma vez que como atuais ex-escravos, entretanto e entre tantos eternos escravos do neo-colonialismo globalizante que ao nos proclamar homens livres –agregados- nem proprietários, nem proletários, todavia, toda a vida, atarraxados como parafusos ao favor, e a um sistema político econômico, está eternizando as questões estudadas por Schwarz, Maria Sylvia, Machado, Sérgio Buarque e tantos outros a cerca da viagem de idéias dentro e fora do lugar e da viagem de teorias ao Brasil.

Quando vemos índios de havaianas, relógios esporte e qualquer aculturação que o valha – não que devam permanecer isolados, intocados e ‘involuídos’voluntários-, mas mais do que isso a sensação que se ganha, é a de que não foram compreendidos em sua cultura e rechaçados, procuram através de bens materiais se eclipsarem em nós, nos acompanharem numa corrida-caçada por um tempo que, a rigor; a nada lhes serve.

Várias foram nossas abordagens a cerca do tema da viagem de teorias, em sala de aula, discutimos as inúmeras formas que teorias importadas das metrópoles tomaram em nosso país, e a quem ou a quê serviram, ou melhor; não serviram, uma vez que de todo sempre estiveram à favor do liberalismo, do capitalismo, do integralismo, das ditaduras pelas quais passamos, do ‘globalismo’ e, etc. Raramente servindo as nossas necessidades e ou coadunando-se com as ideologias correntes, salvo se pensarmos nas correntes e nos grilhões que ainda nos atam aos interesses estrangeiros e às suas ideologias alienígenas e alienantes.

Vamos tomar como exemplo, exaustivamente trabalhado por nós; a prática do favor.

Não nos é preciso ir muito longe para apercebermo-nos do fato de que ela se enraizou no Brasil de tal forma que passou a ser um tipo de política per si, no sentido de que “nada” pode ser feito fidedignamente no meio, não só político, mas social como um todo, sem a troca de favores de cunho financeiro ou apenas de algum tipo de secessão de vantagens propriamente ditas. Claro é, e pode-se dizer comum, aos seres humanos, ao meio social, basearmo-nos em algum tipo de favoritismo ou de gentilezas que por vezes perpassem, ou mesmo ultrapassem a noção de amabilidade; ou de ética, se tornando uma espécie de moeda de troca. Seria a meu ver, inclusive poder-se-ia dizer, um modelo anárquico, caso permanecesse na condição de permuta, e não se tivesse, como disse, ao cabo, um valor monetário passível de ser contabilizado como lastro.
Oposto exato a universalidade dos princípios, a princípio.

Como definiu magistralmente Schwarz:

“O favor é nossa mediação quase universal- e sendo mais simpático do que o nexo escravista, a outra relação que a colônia nos legara, é compreensível que os escritores tenham baseados nele a sua interpretação do Brasil, involuntariamente disfarçando a violência, que sempre reinou na esfera da produção.”

O teste de realidade a que se refere Schwarz, e que não foi aplicado no Brasil segundo ele, soa em meio a toda essa discussão mais como um choque de realidade, do que qualquer outra coisa, no sentido em que essas práticas foram importadas e assimiladas por aqui em meio a uma realidade muito distinta, ainda que propensa, a tais. E de fato por aqui ganharam um status de política ao passo que nos países europeus, grosso modo, parecem ter sido substituídas pela ética e por leis de mercado que não corroboram com essas linhas de pensamento.

Pode-se concluir então que se trata de uma viagem sem volta.

Relendo “ As idéias fora do lugar”, no trecho específico em que o autor nos diz:

“Assim posto de parte o raciocínio sobre as causas, resta na experiência aquele desconcerto que foi o nosso ponto de partida: a sensação de que o Brasil dá de dualismo e facticio- contrastes rebarbativos, desproporções, disparates, -anacronismos, contradições, conciliações e o que for- combinações que o Modernismo, o Tropicalismo e a Economia Política nos ensinaram a considerar.”

Me pego pensando em aulas onde discutíamos a efeméride Tropicalista que fazia uma releitura ainda mais rasa da antropofagia Oswaldiana, sendo, ao meu ver, um excelente exemplo de disparate, desproporção e porque não dizer sobremaneira: de contraste rebarbativo!, o que não dizer de nosso Modernismo que calha, como a luva com a pelica, no exemplo de anacronismo, de contradição e de conciliações, à um só tempo -se pensarmos que falavam de regurgitar a cultura européia, bebendo Champagne!

Isso sem mencionar que nosso Modernismo, como sabemos, foi um futurismo retrô, um dadaísmo pimpão, e quiça, um surrealismo de um azul claro; desbotado

Quanto a Economia Política, essa serviria como capítulo à parte; e, capitulo em fazê-lo neste esboço, pois não é sequer matéria que sirva a literatura, ainda que a financie, ainda que a contra gosto e ou quando muito; ao gosto da moda.

A mais quando revejo todo esse quadro, que como quis meu querido Augusto dos Anjos: nem Pedro
Américo pintaria, sinto-me no dever patriótico -pan-óptico- de imaginar que ao cabo, todas as nações devem se ufanar do que tem de bom e se afastar do que de pior produziram, como única e inconteste prova de sua real grandeza ou erudição. No nosso caso, suis generis, deveríamos portanto exportar a tecnologia do favor e do escravismo, uma vez que ainda reinam, com outras roupagens; em nossa republiqueta.


2 – Idéias viajam? Roberto Schwarz X Maria Sylvia de Carvalho Franco.

Lido pela terceira ou quarta vez a palavrosa entrevista da aristocrática Maria Sylvia me soou ainda mais indecifrável, como se o que intencionasse fazer fosse manter a escuridão de suas idéias, - no lugar da clareza e da leveza-, por vezes anedótica dos textos, réplicas e tréplicas de Schwarz. Do que inferi e do que discutimos em sala, me parece que ao modo de Bosi, ela quis dizer que, em linhas gerais, As idéias estão, ou estavam à época, no lugar, pois: “tem funcionalidade para a opressão”, ou visto de outra forma, as idéias certas estavam no lugar certo e quem estava errado eram os que persistiam em continuar no analfabetismo, no escravismo e na miséria absoluta, tanto do ponto de vista material quanto, e sobre tudo, do intelectual.

Não faz sentido algum imaginar que, apesar de sim; serem produzidas também socialmente, dizermos que, como fez Maria Sylvia, as idéias não viajam ou que a noção de influxo externo seja superficial ou idealista. Parece me tratar-se mais de um confucionismo, no sentido não literal, -de que uma questão relativa ao difusionismo-, uma vez que é inegável que sim, óbvio, pessoas viajam; vírus viajam; drogas ilícitas viajam; produtos viajam; aviões viajam; trens viajam; barcos viajam; animais viajam, por quê então tão somente as idéias, ou teorias, logo elas voláteis e preenchíveis que são, não viajariam?!

Não consigo encontrar nada na entrevista e nos ditos da professora e no que debatemos a respeito que faça muito sentido. O desenvolvimento mesmo de suas argumentações enfadonhas e que trazem um recorte muito específico – os processos-crime de Guaratinguetá no século XIX, - que segundo Scharwz, mais uma vez não se fundam em relação ao restante, e ao todo da discussão, uma vez que segundo ele são:

“um material ligado ao aspecto mais estático da sociedade brasileira (o homem pobre na área do latifúndio), em que o influxo ideológico da Europa contemporânea não seria um elemento decisivo.”

Vejamos a inadequação dos argumentos da professora em eles mesmos. Já no final da primeira página da entrevista, podemos ler sua observação sobre a noção de resistência à mudança:
“tão frequentes nas teorias científicas e programas políticos de modernização dos países atrasados”, costurando mais a frente à imagem de que a teoria das idéias fora do lugar, são, estas sim, e; mais uma vez: “importadas pelo Brasil dos centros europeus de produção de mercadorias e ideologias”.

Tentando ao meu ler engendrar uma mudança de foco que não se sustenta, pois se imaginarmos que o projeto levado por Schwarz já previa o que ele chama de desajuste, vejamos:
“É certo que atraso e atualização têm causas internas, mas é certo também que as forma técnicas –literárias e outras- que se adotam nos momentos de modernização foram criadas a partir de condições sociais muito diversas das nossas, e que a sua importação produz um desajuste que é um traço constante de nossa civilização. Em perspectiva nacional, esse desajuste é a marca do atraso. Em perspectiva mundial, ele é um efeito do desenvolvimento desigual, e combinado do capitalismo, de que revela aspectos essenciais, donde seu significado “universal”. Noutras palavras, não inventamos o Romantismo, o Naturalismo, o Modernismo ou a indústria automobilística, o que não nos impediu de os adotar.”

A que acrescentaria o comentário, de que ele eventualmente tenha se enganado, uma vez que quanto ao modernismo, este sim talvez tenhamos o inventado, à revelia do futurismo, do dadaísmo e de alguns outros ismos que vinham se sobrepondo na Europa. Isso em uma análise pura e simplesmente etimológica, pois como sabemos o modernismo propriamente dito não existiu por lá, vindo a ter por aqui este nome como uma síntese dos movimentos que citei, portanto e mais uma vez uma importação de um produto que apenas mudamos a embalagem. De todo da maneira que este por aqui se deu, pode sim ser visto e compreendido não tão somente como mais uma prova inequívoca de viagem idéias e de teorias e de sua ex-apropriação como quis Derrida e veremos mais à frente.

Assim sendo, ao meu ver, não se sustenta a idéia estática-estátua, de Maria Sylvia, de que as idéias não viajariam, ainda que me pareçam razoáveis suas afirmações de que as idéias e ideologias são produzidas socialmente. Dados os devidos descontos, lembrando que o positivismo de Comte, condição sine quo non da existência do liberalismo da época persistisse e fosse a ideologia em voga para praticamente todos os atores sociais, do homem livre, livre para ser dependente e agregado ao favor, até ao universo da política. As idéias e ideologias de que ela fala seriam quais afinal, uma vez que se permanecemos no recorte temporal em questão, não vejo qual seria a ideologia e ou idéia produzida socialmente no Brasil da época.

Algumas discussões, ainda que não multilaterais, nos ocuparam no começo do semestre e ainda que faça minha mea culpa, de haver a muitas estado destituído do corpo presente, todavia as das que participei, e que me pareciam mais um monólogo do que propriamente discussão, uma vez que nossos nobres colegas em sua maioria se abstinham de fazê-lo por motivos que desconheço – aqui minto e faço uso da máscara social e do eufemismo, para não tratar do vazio que ecoa nos cérebros de nossa juventude acadêmica-, me foram sobremaneira proveitosas no sentido de aliviar o peso que as afirmações da professora me infligiram no sentido de não as haver compreendido.

Confesso entre tanto desanimado que após tudo isso e mesmo tendo voltado insistentemente ao seu texto, continuo sem compreendê-lo na sua extensão-intenção.

Posso com tudo para findar este tópico voltar àquele que sempre me pareceu mais arrazoado, o professor Schwarz que diz ao cabo de seu texto- entrevista, Cuidado com as ideologias alienígenas:
“Como entre tanto a importação de formas é parte constante de nosso processo cultural, é claro que não basta conhecer o contexto brasileiro. É preciso conhecer também o contexto original para apreciar a diferença, a qual é uma presença objetiva, ainda que um pouco impalpável em nossa vida ideológica. Por isso, a nossa historiografia tem de ser comparativa.”

Ao que acrescentaria que não tão somente comparativa, mas sobre tudo consciente de que somos histórica e cronologicamente posteriores aos países europeus e estaremos inevitavelmente por motivos que vão além de qualquer ideologia, fadados a refletir teorias que por lá venham a surgir. E se me permite, não vejo nisto demérito de nenhuma natureza, caso o façamos a partir de perspectivas locais, experiência nacionais e não nacionalistas.


3-Teorias Viajantes -O fluxo internacional de teorias e a geopolítica do conhecimento.

As 4 “leis” da teoria viajante seriam segundo Said:

1-Há um ponto de origem, e ou o que se parece com um, um conjunto de circunstâncias iniciais no qual a idéia veio a nascer ou entrou em, e ou, no discurso.
2-Há uma distância atravessada, uma passagem através da pressão de vários contextos...
3-Há um conjunto de condições...aceitações...resistências...-e insistências, eu insistiria!-
4-A idéia agora totalmente (ou parcialmente) acomodada (ou incorporada) é em certa medida transformada por seus novos usos...

A palavra incorporada aí escolhida a dedo como opção à acomodada, me remete imediatamente a corporação, as corporações, ao corporativismo, a todo o ideário correlacionado e por sua vez automaticamente às questões de hegemonia neo –colonialistas, e a várias outras decorrentes, quase todas degradantes para o substrato local tanto do ponto de vista cultural, quanto, e; ao cabo, inevitavelmente, dos econômicos a essas hegemonias advindos, e, via de regra; nada bem vindos.
Para concluir essa pequena “introdução” e primeira impressão, retomo o autor que num surto de lucidez, de pronto, declara:

“É óbvio que qualquer abordagem totalmente satisfatória desses estágios seria uma enorme tarefa”
Como o intuito não é se debruçar sobre os textos pura e simplesmente, me dei ao direito inclusive de cortar alguns finais das “leis” enumeradas e de comentá-las muito rápida e descontraidamente, poder-se-ia dizer, corroborando com o que o próprio autor declarou, em alguns de fazê-lo, até mesmo para não entrar em detalhes demasiado, ainda que entretanto agora neste bloco sinto-me mais confortável em fazê-lo, sobretudo por ao reler continuar considerando-os de meu interesse. Vejamos por exemplo na página sete, quando Said após discorrer sobre algumas questões fundamentais acerca da crítica da escola de Yale, que como nos lembrou, Hartman é um dos representantes, junto a Paul de Man, Harold Bloom e outros, conclui dizendo que:

“Na ausência de um domínio delimitador chamado literatura, com claros limites externos, não há mais posição autorizada ou oficial para o crítico literário”

O que pode parecer muito oportuno ou democrático, ou ainda meritocrático, -se o sujeito é bom de argumentos por que tem que ser da área-, se pararmos para pensar na profusão-explosão de críticos de ocasião, literatos de plantão, que transbordam nos dias de hoje entre blogs e redes sociais, sendo segundo o senso comum muito positivo, pois pluraliza as questões, horizontaliza o direito à reflexão, antes engessada em covis pouco luminosos. Por outro lado, lado este em que gosto de me ver, existem-resistem, os literatos, bestas que em meio a toda essa efeméride tecnológica ainda insistem em buscar as fontes, reler no livro, esmiuçar no arquivo físico, espiar e espirrar em bibliotecas e alfarrábios. Espécies em extinção que não tem mais voz, agora que todos tem voz, dizem exatamente o que esse público rasteiro quer ouvir e sobretudo no número de caracteres adequados. Tudo isso, toda essa tecnologia da informação constituem casos de viagem de teoria e de idéias, talvez mais do que nunca, mas a que preço e com qual lastro? Qual destinação? Pensando Derridianamente, em destino à qual nação?, destinado a alguma nação em particular? Derivado de qual reação?Enfim, não finda aí a discussão, todavia entra em um tópico para mais adiante.

Falemos então do tema central da discussão aqui neste texto de Said; Lukács!
Organicidade versus mecanicidade, reificação versus sujeito e idéias estupendas sobre consciência crítica, tais como:

“Postulando um mundo de atuação humana fora do domínio da reificação, a consciência crítica (a consciência que tem origem através da crise) torna-se genuinamente consciente de seu poder de incessantemente derrubar as formas objetivas que conformam a vida do homem”, como da sua tradução.

E segue falando de algo bastante discutido em sala, as questões marxistas em Lukács, e não ficamos “só” nele, passeamos por diversos autores marxistas, citei a celeuma Marx-Proudhon, falamos de vários preceitos da teoria marxista, da base-e-superestrutura à mais valia, da consciência de classe(“ a consciência de classe começa portanto na consciência crítica.”), da ditadura do proletariado, dos efeitos e reflexos do marxismo no Brasil, em Schwarz, e; em nós mesmos.

Talvez o mais importante disso tudo do que conversamos convergiu para a observação que foi incansavelmente pontuada em aula, a da urgência com que Lukács escrevia, o momento político em que ele literal-literariamente se encontrava, e como diz Said:

“-não devemos esquecer que ele está performando um ato de insurgência política. Alcançar a teoria é ameaçar com destruição à reificação, bem como ao sistema burguês inteiro do qual a reificação depende.”

Outro ponto por nsó bastante destacado foi o fato de que o próprio Said enquanto palestino escrevendo em inglês a partir de uma conceituada universidade americana, também performava e personificava a imagem da urgência de pessoas, causas e discursos que tem relação diametralmente direta com questões de hegemonia cultura social e financeira.

Falamos ainda de Goldmann e sua tradução acadêmica de Lukacs, da diferença do que Said chama de um “acadêmico politicamente comprometido” e de um “militante politicamente envolvido”, o que daí resulta em sendo a remoção do caráter insurrecional da teoria de Lukács. Talvez, tenha sido esse o ponto para o qual converge todo esse texto e para o qual convergiram nossas discussões, a do resultado, nesse caso reducionista, de uma viagem de teoria onde ocorreu a catástrofe!

Prezado Mestre, preciso declarar que meu raciocínio (raciosímio?) é muito textual e consigo quando muito discorrer sobre nossas divagações retóricas em sala, tão somente a partir dos textos e numa sequência em que estes me foram surgindo. Perceberá em contra partida que por vezes e ao cabo, faço menções enviesadas a outros bloco por entender que estas ideais não estão de modo algum soltas e que meu passaporte é válido em outras situações e discussões correlatas.

Desnecessário dizer, aí incluso, que perceberá mesmo com grande facilidade as discussões em que efetivamente participei daquelas em que infiro, a partir do texto e do ponto da discussão em que me inscrevi.

O ponto em questão é aquele em que Mignolo introduz sua visão. Falamos de saída do grande mote de seu texto, da marca que, tal qual o influxo externo, ou a localização das idéias, do favor ou da comédia ideológica, define o rumo e o cerne de um pensamento, que em seu caso é tido como: diferença colonial. Tratamos também e destarte das questões relativas à produção do saber e ao seu lugar geoistórico, voltamos impreterivelmente em Said, mas agora o que Mignolo nos incita a pensar é o seguinte:

“Assim sendo, a resposta poderia ser que as teorias realmente viajam e são transculturadas. Tornam-se objetos. Mas o “pensamento viaja?”O “pensamento” liminar (não a teoria) é a questão; “pensar” em uma perspectiva liminar torna-se então, a questão central - quer as teorias viajem quer não.”

Passamos então a discutir, e a pensar, em como essas teorias viajam através, ou, pela diferença colonial.

Mignolo nos ofereça a chave:

“A alternativa é uma dupla crítica, tanto dos viajantes quanto dos residentes: de viajantes e residentes em posições hegemônicas na perspectiva de viajantes e residentes em posições subalternas.”

Explica-nos as questões de subalternidade “interiores” e “exteriores”, e fala de um campo dos “Estudos Subalternos”.

Lembro-me após estas pontuações de que a partir delas nossas discussões se concentraram sobremaneira na hegemonia cultural norte americana e européias, no caso Brasileiro, mais especificamente. Ensaiamos alguns passos em direção ao monolínguismo imposto pela língua inglesa como fator chave para o desenvolvimento de uma questão sócio-econômica intrinsecamente ligada a questões de ordem cultural e ideológicas. Mas sobre tudo nos concentramos no exemplo da viagem da teoria marxista à America Latina e seus desdobramentos. Voltando um pouco ao texto, e: no caso agora, a Enrique Dussel, que Mignolo passa a analisar:

“O ponto de vista de Dussel relativo à inadequação do marxismo para a América Latina e alicerça-se em sua análise do pensamento moderno e do lugar do marxismo nesse paradigma-sobretudo no fato de que o pensamento moderno esqueceu-se da colonialidade:” (Não citarei as palavras do próprio Dussel, pois Mignolo as sintetiza.)

A partir daí nossas discussões giraram em torno dos motivos pelos quais Marx praticamente ignorou, ou não compreendeu a questão colonial, da diferença colonial ou tão pouco, e; mais grave, ao meu ver, da emancipação-revolução Bolivariana.

Não estive presente quando da discussão do pequeno libelo de Neil Larsen, endeusando e explicando, num duplo movimento de adoração e de expiação de culpa, o Teorema Schawrziano e sua “inexplicabilidade”, ainda hoje, nos estados unidos da América; do norte!

Lembro-me, todavia, de parte da discussão voltar-se em outras ocasiões, e o texto deixa isso absolutamente latente, na por sua vez: impossibilidade dos intelectuais norte americanos assimilarem, ou sequer se debruçarem sobre o materialismo dialético Marxista, por motivos que também discutimos, tais como o da guerra fria, indicado no texto e que exemplificastes em sala de aula como, e; em seu desdobramento marcatista, Lembramos da, a partir dos anos cinqüenta, grande influência da ideologia francesa de Foucault e Derrida nos Estados Unidos dos anos setenta, dos estudos culturais e das políticas de identidade dos anos oitenta e dos noventa, até os dias de hoje, como pontua Larsen.


4- Viagem: Destinação e errância - A “destinerância” segundo Derrida.

Começo minha releitura de Malabou e de sua intrincada viagem através da viagem em Derrida, com uma imagem-viagem engraçada que me veio à cabeça ao inferir sobre a derivação (no primeiro sentido por ela tido.) da palavra Deriva [dériver], que ela nos lembra advir do latim rivus, o riacho [le ruisseau]. Pensei, imediatamente, e; para além da sonoridade, diria no mínimo muito próxima, de ruisseau com -Rousseau!-, em um Jean Jacques Ruisseau? Divisor de águas que foi ao distinguir o estado da natureza e do estado social. Bref!

Indo ao ponto, após esta minha deriva (agora no segundo sentido por ela tido.), começaria lembrando dos destaques que elencamos neste bloco, a partir da dúvida que coloquei de saída a respeito da interpretação-tradução de “arriver”, como “aquilo que vem, surpreende ou cai, do acontecimento em geral, daquele que se antecipa como daquele que não se espera”.

De minha parte não esperava encontrar possibilidade de aceitação da interpretação-tradução desta palavra no sentido de cair, tão pouco se forçar a imagem de algo que cai em nossos colos, como a maça de Newton, como quis imaginar. Uma eureka etmológica não me arrivou. Me parece inclusive que a releitura piorou este meu entendimento, que a priori se mostrara possível. Fato é que precisamos pensar com o coração e não tão somente com uma razão pura Kantiana, para absorver o conceito de destinerrância Derridiano, sobretudo para novos marujos recém engajados.

Discutimos sobre algo fundamental na compreensão geral do texto, que é o “acontecimento do estrangeiro” como praticamente obrigatório para que uma viagem possa ser assim compreendida, ainda que, seja este um acaso programado.

“Toda surpresa, toda divagação, toda errância se veem assim inscritas, em verdade, no horizonte”
Falamos então do conceito de catástrofe e de seus desdobramentos para e na metafísica da viagem, como uma imprevisibilidade previsível para que se possa completar o ciclo da viagem e: “não para atentar contra ela, mas antes, para confirmá-la.”, assim como a deriva, como desvio. Firmou-se ai em nós e não só no texto a verdade de que; “a origem não viaja.”, mas: “A viagem arrasta a origem com ela”.!? Sabedor de que a filosofia é feita de paradoxos me absterei de tentar explicar este evidente, se não cego, ao menos estrábico; ponto. Todavia existe outro que já havia questionado em sala, e que me continua, talvez ainda mais, evidente. Ao tratarem da “differance”:

“De uma parte porque a différance ela própria- temporalização, espaçamento, deslocamento incessante da letra e do sentido-, de outra parte, porque nenhuma sedentariedade originária preexiste a ela. Não mais do que a escrita é originária da fala, a viagem é derivada de uma identidade localizável e localizada.”

Se sua origem?!, portanto algo estático, logo sedentária, originariamente falando, ainda que depois possa ser arrastada, mesmo que não viaje!? Enfim, talvez o ponto cego em questão seja tão somente eu mesmo, enquanto leitor não ideal.

E para tanto tratamos do “Caminho de Ulísses”, como o exemplo, talvez melhor, desta: “imobilidade originária”. A Ítaca de Ulísses é sua derivação e sua não derivação. A economia da viagem. Se bem entendi algo, ou possa me dar ao luxo de pensar medianamente, e; Derridianemente.

Em resumo desta confusão primeiramente instalada em nosso cérebro, resumiria citando o texto, de modo a ilustrar/corroborar, como sugerido, o que acabo de sintetizar e tentar entender-descrever:
“A viagem teria a missão fenomenológica de permitir o acesso à presença do outro em geral, de revelar o segredo, a autenticidade dos países visitados e dos lugares explorados, de fazer aparecerem os traços dominantes de uma civilização, numa palavra, de levantar quase milagrosamente, o véu da estrangeiridade.”

Outra questão que me impus é: ainda que eu aceite a proposta de Malabou de: renunciar a determinar um “sentido próprio” e um “sentido metafórico” da viagem na obra de Derrida”, não posso me furtar de pensar que, ao fazê-lo, me fica a pergunta; qual é então e afinal o sentido da viagem em Derrida?, ou mais, desta discussão, salvo é claro como um belo exercício retórico de ampliação dos limites do pensamento cartesiano, que devo admitir ter, sob vários aspectos e em diversas medidas. Talvez a destinerrância seja a chave, ou a trincha-missão que aplaine estas imagens-idéias à princípio, para mim, derivantes e viajantes.

Deri veremos- De gramofones; de cartões postais; de Sócrates a Freud e além.

Voltando para um terreno mais firme nossas discussões entraram na definição do conceito de Destinerrância que me parece absolutamente claro em sendo a eterna possibilidade da catástrofe e da (a)destinação. Falamos sobremaneira, a partir do cartão postal, como algo, uma comunicação aberta, passível de leituras múltiplas, não previstas, e conseqüentes interpretações e inferências outras, e de outros, não metafisicamente falando.

Se a Destinerrância é a única certeza, assim como a morte, corremos todos, já mortos; para a vida?, como se fosse, se não o acontecimento (certeza) da catástrofe, que desse vida-verdade; as nossas vidas?! Me peguei pensando agora, ao relembrar de nossos comentários sobre a passagem do mito do corredor morto, de que nos fala Derrida.

Ao mais, ou ao menos, teci tais comentários, pois é a própria Malabou que nos diz:

“O leitor é livre, seja para empreender uma leitura contínua do conjunto, seja para seguir o fio(de Ariadne) de uma única via, seja para não seguir fio algum e passear aqui e ali, de acordo com seus desejos ou suas pulsões.”

Fiando-nos ainda em Malabou para derivarmos através do cartão postal, já ensejado-desejado, uma vez que é ainda em seu texto que ouvimos falar primeiramente de: O Cartão Postal, como sendo um livro que Derrida não escreveu, nas palavras do próprio autor e por nós em sala discutido, como sendo também uma não história dos correios, até a psicanálise.

Para a necessidade do impossível nada pode ser impossível. Me lembro de que ao discutirmos sobre este texto, eu havia declarado acabar de tê-lo lido, e que havia me soado um primeiríssimo momento enfadonho e calculadamente(teatralmente, acrescento) paradigmático. Agora ao relê-lo pela terceira vez, posso afirmar que continuo achando-o e me defendo com um dos escudos que o próprio Derrrida parece deixar “acidentalmente” no caminho:

“É preciso, caso se prefira, que a inadequação continue sendo sempre possível para que a interpretação em geral, e a resposta, sejam por sua vez possíveis. Eis aí um exemplo da lei que liga o possível ao impossível. Pois uma interpretação sem falta, uma compreensão de si totalmente adequada não marcaria apenas o fim de uma história esgotada por sua transparência mesma. Proibindo o porvir, ela tornaria tudo impossível, tanto o acontecimento quanto a vinda do outro, a vinda ao outro-”

E como quis o poeta: “afora isso eu já nem de mais nada.” A não ser que discutimos ainda sobre a escolha do tradutor, a nosso ver errônea, em traduzir a palavra Hantise, por: obsessão, e não pela na sua literalidade de: Assombração. No trecho seguinte onde Derrida fala da assombração (obsessão) da exceção.como “possível” índice de passagem ou de saída.

De saída, e em relação a este bloco gostaria de dizer que a escolha destes excertos do “Cartão Postal” e “Necessidade do impossível”, em particular do ponto da fala que recortei a cima, casam e encerram em meu entendimento uma compreensão satisfatória, ao menos para mim, de questões por nós discutidas desde o início, tais como a do acontecimento, do outro enquanto estrangeiro e da possibilidade imanente da catástrofe.

Ou ainda nas palavras do próprio autor:

“É preciso, portanto, que o acontecimento se anuncie também como impossível ou que sua possibilidade seja ameaçada.”



5- O direito à teorização de um ponto de vista cosmopolítico- Monolinguismo, tradução, desconstrução.

Este é por razões cronológicas e lógicas o bloco que está certamente mais fresco em nossas memórias, e aí incluo os outros; colegas.

A discussão neste bloco se voltou primeiramente para as impressões que o Autor nos dava de sua propriedade em tratar de assuntos não diretamente ligados a sua área de conhecimento. Lembro-me ainda de destacar um trecho em que ele por sua vez fala do afã literário que incorreram os Antropólogos em determinado momento e da falácia de tal empresa.

Entretanto o cerne da questão tratada por ele neste trabalho é a da hegemonia da língua inglesa, sob as demais, também na área das ciências humanas e naturais.
A partir daí passamos a observar o desenvolvimento e os desdobramentos de tal hegemonia e seus viesses sociais e econômicos.

O termo língua franca, passou a ser o centro da discussão, remetemos ao trecho do texto que nos explica a etimologia do termo:

“O termo é recorrente (língua franca), e recobre toda a literatura que se ocupa do assunto; ele encontra-se geralmente associado ao latim, idioma do saber em outros tempos. A imagem é parcialmente verdadeira, mas encobre algumas incongruências. A expressão “língua franca”não figura nas descrições de nenhuma língua românica, seu surgimento é tardio e data do século XI.”
E explica ainda que, em resumo, ela seria usada como uma língua comum aos cruzados de diversas nações com o intuito de facilitar a comunicação entre eles.

Em seguida direcionamos nossas observações para o que Ortiz chama de proibições no discurso das ciências naturais: O tabu do ego, da narrativa e da metáfora.

Isso dito para nos levar a outro ponto chave de seu texto que é o de como essas questões poderiam ser aplicadas no campo das ciências sociais, que é afinal o seu habitat, e nos colocar de saída, a partir daí, a seguinte questão:

“A construção do objeto sociológico faz-se através da língua, empregar este ou aquele idioma não é algo fortuito, mera sutileza de estilo, mas uma dimensão decisiva na formulação final. O discurso das ciências da natureza justifica-se porque consegue reduzir a linguagem, depurá-la de sua ganga sociocultural, algo impensável no que diz respeito à compreensão da sociedade. Neste caso o inglês não pode funcionar com língua franca, não por uma questão de princípio moral ou de orgulho nacional, mas em virtude da própria natureza do saber constituído.”

Talvez a grande questão em relação a isto se dê, no âmbito da sua distinção, por nós bastante discutidas, entre a posição do inglês não como língua franca, todavia como língua mundial, em detrimento dele como língua global. No sentido de que com tal distinção nos seria possível separar seu caráter sócio-cultural do seu caráter econômico e por sua vez hegemônico.

Outro ponto de grande interesse para estes nossos estudos de viagens de teorias, de uma maneira geral, e para as questões ligadas a este bloco mais diretamente, é aquele em que Ortiz passa da discussão a respeito dos problemas ligados a tradução, para o fato da existência de “tradições intelectuais diferenciadas”.

Observamos pontualmente que até aí nada de muito novo para nós da área das letras se apresentara, entretanto é exatamente a partir daí que se desdobram as colocações sobre a “questão nacional”, fundamentais para o entendimento de toda nossa discussão, desde o princípio. A necessidade do impossível me obriga a citá-lo na íntegra:

“Questão nacional implica um pano de fundo no qual se desenrola todo um debate intelectual na América Latina; discussão que se faz a partir do século XIX e prolonga-se durante o XX, envolvendo pensadores, artistas e políticos. Ela refere-se à problemática da identidade nacional, da construção da nação, da modernidade; nela está incluída a crítica à importação de idéias, o complexo de inferioridade dos países colonizados, assim como os dilemas da modernidade periférica.”

Temos aí interfaces com Machado e seu influxo externo, Schwarz e suas Idéias Fora do lugar, Mignolo e a diferença colonial, a viagem da teoria em Said e; no limite, à destinerrância em Derrida.

Prosseguindo em nossas discussões chegamos aos textos finais desse trabalho, não menos densos, não menos lidos, quiçá melhor absorvidos, pois são realmente inúmeras as questões a serem rememoradas num espaço por vezes pequeno e aí falo do espaço da minha memória e não tão somente o do papel propriamente dito.

Se bem me lembro concentramos nossos entendimentos de saída sobre o lugar de discurso Derridiano, ou melhor; os lugares. Unesco, Magreb, França, E.U.A e etc.
Critiquei a ilusão da visão de que a Unesco fosse uma instituição, segundo ele: “portadora ao mesmo tempo da resposta e da responsabilidade por essa questão.”

E “essa questão”, a saber; é: “O direito à filosofia do ponto de vista cosmopolítico.”
Ou como você mesmo quis, e se entendi direito, uma espécie de direito a teorização, de um ponto de vista monolinguístico, - no caso do português brasileiro-.

E entramos, talvez as pressas já na discussão do conceito de ex-apropriação, de que nos fala Derrida:

“O que acontece hoje, e eu creio nisso há muito tempo, são formações filosóficas que não se deixam encerrar nessa dialética de fundo cultural, colonial ou neo-colonial, da apropriação e da alienação. Há outros caminhos para a filosofia além da apropriação como expropriação(perder a memória própria ao assimilar a memória do outra(sic), uma opondo-se à outra, como se uma ex-apropriação não fosse possível, a única chance possível).”

É verdadeiramente libertário e poderoso o conceito, idéia ou teoria de-da ex-apropriação, pois é ao meu ler uma espécie de desapropriação indébita, onde devolveríamos nosso ponto de vista roubado, aculturado, em nome de uma hegemonia eurocêntrica, “norte americano cêntrica” e quando muito, se pensarmos na polarização mundial à época da guerra fria, “soviéticêntrica”, uma vez que concordo em gênero, número e, sobre tudo, grau com Derrida, ao declarar que nem a filosofia, o direito (estado de direito) e tão pouco a democracia jamais foram responsáveis por uma “única destinação originária ligada à língua única ou ao lugar de um só povo.”

Tais questões foram por você aprofundadas em sala, a partir de seu texto, mais uma vez em relação a uma aproximação-apropriação do não próprio redutível como um dificultador da assimilação e compreensão do monolinguismo do outro, da tradução e da desconstrução.

Falamos a partir desses pontos, e daí ponto a ponto da desconstrução como, segundo Vergani: “a desconstrução é a fidelidade à lei da ex-apropriação”, de uma necessidade de uma tradução ex-apropriadora, pós estruturalista e pós colonial. E seu texto volta, como bom viajante teórico que provou ser, ao desfile de teorias importadas à revelia dos quais Schwarz nos fala:

“Nos vinte anos em que tenho dado aula de literatura assisti ao trânsito da crítica por impressionismo, historiografia positivista, new criticism americano, estilística, marxismo, fenomenologia, estruturalismo, pós-estruturalismo e agora teoria da recepção.”

A tradução ex-apropriadora não pode ser confundida com uma retomada, ou como eu entendi, como uma desapropriação de posses, de uma língua sobre outra, pois o que dizia Derrida sobre sua “única definição da desconstrução”, que seria esta: “mais de uma língua.”

Dentro desse espírito de desestabilização de certezas, seguirei na certeza de não ter certeza certa absoluta-irresoluta, sobre a compreensão, e de compreensão depreendo o tempo necessário para a efetiva deglutição de tantas teoria, tantos teoremas, tantos filosofemas, em um único semestre. Me restando a certeza da incertidude, fica a tentativa.

Voltamos então a discussão para questões ligadas a américa latina, da não posse sequer da nossa língua mãe, que estaria ao meu ler mais para madastra, uma vez que nos foi, em um caso explícito de viagem de teorias, forçada por questões de ordem colonial, pelo decreto pombalino. Sendo então uma questão de perturbação de identidade, como define Derrida;

“Eis, pois uma boa definição para o que está em jogo em Le monolinguisme de l´autre: a performance diferencial de uma “experiência colonial particular” não como afirmação de uma identidade mas como perturbação da identidade: ex-apropriação.”

A maneira de um suspiro final ainda que saia um pouco do âmbito das nossas discussões propriamente ditas, gostaria de fazer um aparte em relação à questão da “dupla fantasmaticidade do português brasileiro”, de que trata na parte final de seu texto, mais especificamente onde diz:
(i)aquela associada à espectralização de um idioma europeu quando de sua “(re)aparição, ao modo da língua materna, num contexto de fala não-europeu; (ii) aquela associada à incontornável irredutibilidade desse idioma-fantasma ao idioma oficial de uma “latinidad” ou “latinoamericanidad” com feições homogenizantes.”

A pergunta que me ganha, é: E não foi o espanhol, idioma “oficial de uma latinidad” também uma “(re)aparição, ao modo da língua materna, num contexto de fala não-europeu?, uma vez que assim como o português brasileiro é um filho bastardo do português europeu, não seria o castelhano, por exemplo, filho bastardo do espanhol?!

Qual é então a grande diferença colonial entre os latino americanos de substrato espanhol e nós?!Enfim-

Para finalizar vou rememorar, também num exercício de refreamento-resfriamento de minhas
faculdades mentais, rapidamente, nossas discussões a respeito do que você quis como “A capitulação antropofágica”.

Lembro-me de sentir certa indignação quando da citação das defesas empreendidas por Haroldo de Campos quanto ao que seria nossa razão antropofágica-autofágica, uma filosofia genuinamente brasileira, que seríamos ao cabo de um “nacional por devoração’, como quis genialmente.

É quando fala então mais claramente do equívoco Oswaldiano que ao deglutir-deduzir-destituir o português de uma interioridade absoluta ou uma alteridade absoluta: “e sim, na verdade, um vínculo materno/filial, ainda que, por assim dizer, bastardo: exprimem-se em “português brasileiro”, em tupi, ainda que fosse o tupi dos jesuítas. Por exemplo.

Caso clássico de idéias fora do lugar e de viagem de teorias onde ocorreu, se não catarse: catástrofe.









Tradução Direta palestra Doris Salcedo -Getty Institute- Obra: NEITHER!

Doris Salcedo sentada a minha direita é de Bogotá – Colômbia- , ela vive e travalha lá agora e viaja bastante. Ela estudou na universidade lá e também na M.I.U em Nova York. Tem exposições desde 1985 em Bogotá, Suiça, Londres, França e nos E.U.A com grandes instalações, uma delas da qual vai nos falar esta noite e que se chama: Neither, - Nem um nem outro- (A entrevistadora brinca com a pronúncia e pergunta qual é a preferida dela; ao que Doris responde: Nem uma nem outra!), que fez na galeria Cubo Branco (White Cube), em Londres. E talvez muitos de vocês viram, como eu , a grande peça Shibboleth, que agora está na ‘Sala Turbina’ da Tate Modern em Londres. Doris estava no Carneggie Internacional em Istambul em 2003 e em uma apresentação que foi muito importante no E.U.A; chamada: Artes nas Américas no instituto de arte de chicago. Seu trabalho está voltado para os mais profundos fatos e questões políticas de nossos dias e passado recentes. De modo a fazê-lo ela trabalhou com materiais dos mais difíceis.

Então Doris vai nos falar sobre uma dessas instalações: Neither.

Escolhi Neither para apresentar-lhes esta noite, pois o seu processo de construção foi inteiramente um processo de restauração. O processo de construção dessa peça foi um processo de reparo do começo até o presente momento. Fazer esta peça foi uma tentativa todo tempo de restaurar a realidade, como se realidade pudesse ser consertada pela escultura. Foi uma tentativa vã de reparar os espaços interiores que tínhamos, pois acredito que nossos espaços íntimos e privados foram penetrados ou invadidos pelas mais extremas forças exteriores. Por anos mantive arquivos sobre campos de concentração, tanto os históricos e as variações contemporâneas deles...E tenho estado interessada em espaços, como Hanna Arendt escreveu: “Onde tudo é possível”...Mas não estava tão somente preocupada com as atrocidades que ocorreram, e que continuam a ocorrer nesses espaços, mas principalmente foco meus questionamentos nos aspectos das sociedades que fazem possível a existência de lugares onde absolutamente nenhuma condição humana é viável. Com esta obra queria endereçar a ambiguidade perversa que caracteriza estes espaços, onde humanos destituídos são incluídos em territórios que representam a absoluta exclusão da sociedade. Os campos de concentração não são simplesmente um evento aterrador produzido por um estado doente, e não pode ser reduzido a uma “proporção germânica’, pois desde 1896 quando os espanhóis o inventaram e implementaram os primeiros campos de concentração em Cuba, até agora, muita história correu e teve seu delta ao ‘estilo Guantânamo’. Acredito que os campos de concentração se tornaram a expressão em essência da estrutura política de nossos tempos. E ainda da brutal exclusão nos campos de concentração, tem sido enxertados em nossas vidas.
Irei sumarizar um extremamente longo e absurdo processo de construção dessa obra em apenas alguns passos...O processo de construção de Neither, implicou em um exuberante desperdício de recurso e energia. Geoge Battaille escreveu que: “Não é necessário ...Perdão... Não é a necessidade, mas o excesso de luxúria que pressente a humanidade, o processo mais fundamental”. Então o processo de construção desta obra era, literal...Eu queria enxertar uma cerca de ferro, a mais extrema forma da exterioridade, dentro de uma parede branca, no espaço de uma parede interna.

Para isto escolhi trabalhar com dois materiais: A cerca de ferro e então, apenas um dry-wall.

Primeiramente peguei a cerca e amolei como uma faca, a superfície toda, um só lado dela, e então pequenos veios foram cortados no dry-wall de acordo com o formato de cada fragmento de cerca. A cerca não era perfeita; era meio irregular de certa forma.
Depois aplicamos glicerina – a que veem na imagem- em cada um dos cortes no dry-wall para dissolver o gesso... Pois depois iríamos pressionar e forçar o metal no dry-wall. Precisávamos dissolver o gesso para que o dry-wall não quebrasse ou fraturasse...1.000 toneladas de pressão foram aplicadas em cada metro quadrado da superfície da peça de forma a enterrar o metal no dry-wall. Após isto o processo de reparo começou. Nesse processo eu estava tentando obter níveis diferentes de estrago.

Vocês podem ver como a peça saiu da prensa bastante estragada, e queria reter alguns desses estragos, mas também queria diferentes graus de estragos ficassem presentes de maneira que fosse difícil discernir realmente como essa peça foi feita.
Vocês podem ver...isso é onde os encaixes estavam quase completamente enxertadas na superfície. Para mim a ambiguidade, a incerteza do processo é muito importante nesta peça, pois diz desta ambiguidade e incertitude em que vivemos. O próximo passo - Vocês veem os reparos no estúdio-, foi montar/juntar os fragmentos.

Foi um grande quebra cabeça, eram 340 painéis e cada painel tinha uma forma diferente, e então para conseguir uma transição visual suave entre um painel e outro...-Vocês podem ver que sofreram grandes danos no processo- .

A técnica...aqui estamos montando juntando partes dele- os cantos- usamos um ambiente inteiro...A técnica que tivemos que usar infligiu danos constantes nas peças. Tivemos que trabalhar junto diferentes fragmentos no encaixe e então restaurar a qualidade do encaixe, o que significa lixar e pintar... A idéia era tornar vários fragmentos em uma única grande cerca. Constantemente tínhamos que restaurá-la – estes são os processos da restauração... um encaixe que foi consertado...A instalação dessa peça foi extremamente difícil e requeriu colocar as peças nessas estruturas pré-fabricadas e então tivemos que juntar os 340 painéis .
Os materiais escolhidos, gesso e aço, não gostam um do outro e se o nível de umidade não estiver regular e perfeitamente controlado, o metal começa a enferrujar e manchar o dry-wall.

–Aqui nos preparamos para a instalação-.

O Processo de instalação sempre implica um passo prévio de restauração/conservação dos painéis. Para juntar cada painel tive que adicionar papel para poder instalar /reinstalar apropriadamente.
Neither literalmente justapõe interioridade e exterioridade, é um espaço interior que nega a possibilidade de interioridade, intimidade -Aqui estou mostrando imagens do modo que os painéis foram esquematizados na época-

Mais imagens da instalação... –Reparando constantemente- E aí temos a obra acabada...
E esse espaço, estava dizendo: é um espaço que nega a possibilidade de intimidade, interioridade e definitivamente o que eu estava tentando conseguir era a impossibilidade da lembrança naquele espaço.

Neither é um espaço indeterminado localizado além de meu poder, para articular, entender e medir a estrutura política em que vivemos. É um espaço sobre incertitude, ambiguidade, é uma obra simultaneamente localizada dentro e fora do espectador- O epicentro da catástrofe.

Acredito fortemente que Neither não tem que narrar nenhuma história, pois a experiência a que se destina é bem conhecida de todos. Ela atesta o fato de que existe uma fronteira comum entre o que vemos na televisão e nossas vidas, entre esses seres humanos e nós. É uma obra suspensa num tipo de tempo morto, num tempo deslocado que quebra o acordo para uma ordem cronológica. Não é o tempo presente construído sobre instantes contínuos, é mais uma duração imobilizada onde o todo das lembranças está suspenso. Há um silêncio radical, pois eu queria desassociar meu trabalho do modo que a arte política tem sempre representado o sofrimento, a maioria é representada como um espetáculo. Algo que podemos olhar e a implicação é que simplesmente olhamos, e não podemos pará-lo, e a inatividade do voyeur sub-valoriza esta impotência. Por essa razão esse é um trabalho para ser “experienciado”, vivido.

Não há nada para ver e somos deixados sem palavras para descrever o intolerável.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

KÂNTicos!?

Critico a crítica..
-aí!, algo a língua me pinica-

Deploro a teoria
-se na vista caísse cloro, mau enxergaria-

Perscrutar pirata,
palavras
babujar
baboseiras

idiossincrasias
asneiras
patifarias

..pra ti faria algo mais que cri-cri ticar a teoria
-faria um bolo de titica de galinha, aguarde na linha-

Teoria tu coragem de escrever liter à TU ra, a esta
altura?!

Redizer asneiras
Rebrilhar besteiras
Redundar
Redundâncias
Redondices

Rimar
Redondilhas
com alvaronices

Parvoíces
Mesmíces
com
costa limices?

++++++++++++++++
NÃO!!!!!!!!!!!!!

Não se reconheça
nos limites

Sê limítrofe
do limite
destino
do declive

fronteiriço
do sumiço
parte do
inteiriço

-parteiro do feitiço-

Meio meeiro
das tribos dos dias
das diatribes-

dessinteressado
desinteressante

nem tudo é bom, belo,
estético, ético
a todo instante..

A Ítaca do poeta
é onde a poética
fi(n)ca.

OU

Via de regras|Via de mãos duplas

Teo-Órico=prosador frustrado-
Cri-crítico=poeta furado..

-comigo ninguém pode-

Vestir a musa
muda
miúda
amiúde
operária

e cantar um
um pagode

ao invés d´uma ode.

Cinísmo _à Diógenes!

Descarte Decartes!
Sufoque Sófocles!
Plageie Platão!

Com Sorte
Com Sócrates

Aristóteles
Em Diástoles
de guerra-

Nem toda
filosofia
à filo se associa..

encerram
encerro
enterram

enterre
em tese
enterro

Afinal ao final
Vcs que estão
Vivos!

Eles?
Eles
já se foram..

já se fodam-se!

Chute o Balde!

Todos tardam
mas mais mal
não falam do tal
do Baldehilário
e suas flores da nau..
Mais ou menos
quer saber?
ele só me encheu de absinto,
-digo apenas oq sinto-
escuridão, ódio, ópio &ócio.

Da série: As Belas Infiéis-

Atêlie de livre tradução (Autor- Kant)
Lígua de partida-Alemão|Língua de chegada, não sei não-

-"No Desígnio supremo da natureza-"
Was die natur zur höchsten absicht hat.

Foi a morte da natureza sobre rocha extensa a biscate de chapéu.


O sexo e a palavra!


LER É MINHA SINA
LEIO + Q MUITO MACHO
DSD OS TEMPOS
DE
MENINA

domingo, 17 de novembro de 2013

-Jazzebel-

Farto do discurso
D`ouvir(e)falar

Fardo do corpúsculo
que um dEUS que dEUSCONHEÇO?!

Me obriga a carregar

Fazendo do crepúsculo
um horizonte
um lar

Abriga a cabeça e a carcaça
chalaça-

A barriga sempre
prenha de lombriga

Tudo que odeio
Tudo de que me arrodeio

Universo sempre
prenho de intriga

Passar os dias

Lavando as noites
-levando açoites-

Cozinhar as horas
em banho maria..

Varrer as tristezas
pra debaixo
do
cacete

Vir ver a vida..

-e nada depreender

Matar o tempo
Para o tempo
Não morrer!

As pessoas não são boas-

As pessoas são vozes
As pessoas são atrizes
As pessoas são artroses
As pessoas são atrozes
As pessoas são voláteis
As pessoas são volúveis
As pessoas são solúveis
As pessoas são não críveis
As pessoas são incríveis
As pessoas são em crises
As pessoas são tenazes
As pessoas são mordazes
As pessoas são capazes..

As pessoas são vorazes-

Desconstrução Civil

O tempo do tjolo.

o tempo do tijolo
é outro.

o tempo do tijolo
é ouro.

o tempo do tijolo
é pouco.

o tempo do tijolo
eu ouço.

o templo pro tijolo
é oco.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A BONECA VOODOO!




Foi a muito, quando ainda éramos uma família, e íamos passar finais de semanas azuis em campos elísios..à céu coberto ou descoberto..quando tudo era ainda descoberta..

Seguíamos certos de que estávamos no caminho errado em direção- contrária- ao sítio de um tio torto, amigo reto de meu pai que dava nome a meu irmão do meio : Otávio!, de Otávio Augusto, o imperador romano...que como prova, de que todo determinismo é falho; nada tinha de tirano ou autoritário..

Era ao contrário, um Gentleman que versava em seis ou sete idiomas , sendo o russo o de sua preferência, levado pelo amor à Dostoievski que o movia; em todas as direções, que a acepção da palavra amor, possa ter ou tomar!

Com o sol já se pendurando na linha do horizonte, exausto e escaldado, entrávamos- igualmente escaldados e exaustos-, apertados em um daqueles fuscas que sempre tivemos, quase que sem ver, o que dirá; querer.. por um pórtico antigo, porém muito bem conservado..e quando nos demos conta, estávamos no pátio duma linda, antiga, perfeita e perdida , porém muito bem conservada; chácara.
Contíguo havia um paiol, um pequeno curral vazio ao fundo, um jardim e só.

Ficamos estancando nos - como uma grande veia aberta da américa latina-, no carro apertados suados, ensangüentados, amedrontados..entretanto, entretantos.. paralisados por alguns segundos , que agora me parecem uma eternidade..agora quando puxo a língua da memória e a imagem me parece congelada, como quando ficamos com gelo agarrado à língua-, com a mesma sensação de desespero...que só se ganha em tais situações incômodas.

Posso contudo lhes afirmar, afiançar e adiantar que não foi desespero tão somente por ser aquele instante o da revelação-conclusão, de que estávamos absolutamente; inequivocamente; profundamente; completamente; totalmente ; sem voltamente - ao menos naquela noite- perdidamente perdidos! ..Mas sobretudo um desespero profundo, um calafrio, daqueles que nos dá na espinha quando por instinto sentimos no ar, em nossas respirações e por orifícios que até então desconhecíamos em nós mesmos...Um nó!, que ‘nós’ atava ao desconhecido, apertou-‘nós’ a garganta...Havia algo de morbidamente estranho naquele lugar..

Abrímos todos ao mesmo tempo, as duas portas do besourinho marrom que havia nos levado voando praquela situação..apeamos e mapeamos o lugar todo, estáticos com os pés travados no chão, quase sem se mexer, num estilo Linda Blair em; O Exorcista.

Faltou-me dizer, que em verdade, não era nem meu irmão do meio ou tão pouco meu pai, que estava no leme daquela nau sem rumo, mas meu irmão mais velho: o primogênito!, e; eu!, pouco mais que um borra botas à época, e prestes a borrar, ao menos, as calças..minha afilhada, minha hoje ex- cunhada e mais dois primos de primos, -gênitos ou congênitos-..

Um frêmito cravou-se em mim como uma adaga-

Nossos pais, a esta altura todos ainda bem vivos, já deviam nos aguardar quase mortos de apreensão..vale lembrar que no período analógico da era em que este tido ocorrido ocorreu.. celulares só quem tinham eram os Edson´s da vida...Tomas Edson´s, Edson´s celularis..Eras seculares!..

Passados mais alguns segundos , a estática desfez-se do chão e em uma onda sísmica nos descolamos do chão!...tentando ‘tateando’ os primeiros passos, afetando as primeiras impressões..

Puta que o pariu!!! Bradou meu bravo-bárbaro-bardo-barbado irmão. E olha que é nossa mãe!

Nossa mãe do céu!, solfejou sôfrega minha atual ex- cunhada, num misto de hesitação e desculpa aos demais pelas palavras de seu atual ex-marido..Apesar de que não havia católicos praticantes, praticamente, ou mesmo protestantes, salvo politicamente; naquela família.

Eu mesmo vim a ser batizado somente aos treze anos- notem bem; 13 anos!..o que significa dizer que na ocasião ainda não havia ainda sido ungido pelo espírito santo.. mas ciganos-judeus que somos, já havíamos morado, e eu nascido, na amazônia, no sul maravilha, nas selvas são paulina e parisiense e em terras africanas; até então..não houve tempo de pensar nas glórias da redenção..e agora, diga-se de passagem- sem volta- era tarde pra tanto!

Eu que era o terceiro na linha de sucessão ali naquele momento, e na família, ali naquela encarnação, nada falei. E os demais estavam assustados demais, para esboçar qualquer reação..

O imóvel, que imóvel se prostrava longeava alguns metros do pátio, numa sobriedade clássica e taciturna, dando a impressão de ser mais uma casinha de caseiro de alguma propriedade muito maior que ali existira e que sumira sem deixar vestígios, a não ser por ela própria, - ao modo das civilizações que ‘desapereceram’..ao longo da história, não desta-

Fui o primeiro a rumar em direção à entrada da casa, que inexplicavelmente tinha suas portas e janelas escancaradas, penetradas pelo formato fálico que o sol desenhava no chão ao deitar-se com elas; ao atravessá-las...Entrei macho alfa-beta & gama!, que creio-propagandeio ser.. marchando pela porta altivo, impulsivo e apreensivo, numa espécie de loucura que como nas batalhas nos levam a jogarmo-nos alucinadamente sobre o inimigo, muitas das vezes apenas com nossos gritos enlouquecidos, alguma pequena lança e grandes esperanças!...Me lancei adrede e alcei a sala principal impecavelmente mobiliada, num bom gosto retrô, o que à época não me dizia muito..e quedei paralisado ao ver que meus esforços corajosos não foram por ninguém reconhecidos - não havia inimigos-, ou tão pouco moinhos de vento para combater..Abatido então eu mesmo, sentei extenuado e amuado em confortável poltrona...Meus irmãos, ex-cunhada, afilhada, primos dos primos –nojentos-, entraram em carreata, em seguida, mais com medo de ficarem lá de fora, do que exata-mente,- eu não minto-..coragem para entrar..-Lí em seus olhos.Leia neste conto..neste canto do papel..

Numa atitude de muito pouca criatividade sentaram-se também todos, em uma espécie de fila indiana, em ordem crescente, ou decrescente depende..à começar por meu irmão, o grande urso! Que não tardou em proferir sentença, para retomar as rédeas da situação que eu, em um ímpeto inexplicável, lhe arrancara das mãos havia pouco:

Onde estamos?, disse, nada genialmente devo acrescentar, uma vez que por mais idiotas que fossemos, por mais idiota que o ser humano seja, e, o é! Todos ali poderíamos, e haveríamos, -como Averróis à procura da alma- de ter isso nos perguntado...Pergunta tão óbvia, quanto haver apresuntado na ceia do natal!, ou que a gravidez de minha mãe o havia gerado..

Por essas e por outras que o peru morre na véspera, e que me tornei vegetariano-

Olhei-o alheio àquela interjeição imbecil, me levantei novamente enfurecido e decidido a encontra alguma alma, viva ou morta!, naquele lugar..Ao passar, já aos berros de: Ô de casa!?, pela mesa da sala, percebi sobre ela uma pequena boneca, mignon, mas de feitio pouco nobre, ou aristocrático, como o lugar poderia requerer, à conclusão de qualquer aluno socrático, como eu...A vi, a analisei exatamente como descrevo- salvo a questão socrática que só vim a perceber anos depois, pouco antes de haver começado a escrever este , ou de atrever-me a escrever, que é o que penso estar fazendo neste mesmo exato momento- fiquem sabendo inclusive que este só existe quando por sobre estas letras deitam seus olhos-, pois de olhos fechados ou mentes.., jamais saberiam desse história e ela permaneceria como mais um mistério, entre tantos mistérios que assombram nossas civilização e imaginação..sem voz, sem forma e sem razão.

Passei incólume até então, pela boneca, e segui em frente!, furação de medos e vontades continuei!, agora quase sussurando e quase recuando, de tanto pavor..Ô de casa! ô de casa..?

Meu irmão a esta altura atado à mim, como a atadura d`uma múmia, também perscrutava:

Tem alguém aí?! Estamos perdidos..estamos entrando..Com licença!...Tem alguém aí?!, repetia..

E nada!, nadávamos na casa vazia-

Saímos pelos fundos, enquanto o restante da tropa permanecia aquartelada e atrelada à sala..uma das crianças já apercebida da boneca, em seu colo a deitava distraída..-vi ao entrar- nada triunfante, mais pra sancho pança que pra rocinante, pela porta da frente novamente..seguido por meu irmão, fiel escudeiro, que atestava seu paradeiro, parado, sôfrego no batente da porta..

Largue já isso!, disse ele à criança que alegre e alheia jogava a boneca pro alto e se ria..Mas seria possível..Não tínhamos sequer o direito de estar aqui dentro, pensou.. Largue isso agora!!!

E o fedelho-pentelho deixou a boneca cair ao chão, donde se ouviu um fabuloso estrondo vindo de dentro da casa, como se a porta de um calabouço houvesse sido rompida após anos, ou como uma velha dama de ferro que rangia semi-apodrecida nos fundibulários de alguma sala de tortura, em algum castelo medieval..

Nesse instante, todos, afora eu e meu irmão que já estávamos- se puseram de pé num sobressalto! E penso que todos, cada um à sua maneira, sentimos um medo mortal e abissal percorrer-nos o exoesqueleto..

Peguei a boneca, e maquinalmente a pus de volta sobre a mesa..Sáimos todos d´uma só vez espremendo-nos pela porta e fechando-a, como quem se desculpa por haver nascido!

Pudemos,entremeios, apenas apercebermo-nos que uma luz se acendeu como que um relâmpago dentro da casa, e se apagou, as janelas fecharam-se num estalido e a porta reabriu..revelando-nos, uma pequena senhorinha, mignon, que nos cumprimentou com um sotaque francês carregado e lânguida como uma gata no cio..

Boa Nuite! Bien vindos..

Qui bons caminhos os trouxeram, meus chéridos?! Faz um beaucoup de tempo que ninguém pour aqui não aparece! É um grand prazer ver tantas jovens almas juntas! Entréem..fiquem à la vontade!

O estranhamento daquela situação, o apavoramento e o arvoramento de nossos pés não nos permitiu mover, ficamos em formação de defesa, cercando-nos e protegendo-nos ..

A áfrica em que havíamos morado era ex- colônia francesa..por finesse e pavor! Respondi:

Merci beaucoup, Madame!

E permanecemos sem apercebermo-nos, num sinal nítido de medo, presos uns aos outros..parados plantados no jardim da entrada da casa, da chácara que havia nos..nos..nos levado até ela..

Foi minha ex- cunhada que num momento de expiação de suas culpas empurrou à uns e puxou à outros, aceitando com uma cara benévola e apavorada, ao convite da anfitriã!

Entréem! Conversaremos mais confortáveis aqui dentro..- começara a chover-

(Curioso que começa também a chover aqui do lado de fora do conto, no canto em que escrevo estas memórias?!), como Mademosseile Villedieu, em seu..Memóires de Henriette Sylvie..

Voltávamos então à estaca zero, ao menos já temos uma estaca, só nos falta agora um crucifixo..pensei rindo nervoso..

De pronto varri com um olhar mais assustado do que astuto, toda a sala, e não sei bem o porque meu olhar parou na mesa; agora vazia!

Sentamos todos novamente em ordem crescente ou decrescente?, numa plástica hermética que agora ,de longe, me parece patética..

O Urso, saiu em defesa de suas convicções e bradiu, em um frânces ruim:

Pardon Madame! Non volontávamos invadir sua propriéte, mas como pôde voir já vinham a cair alguns pingos lá fora, a porta estava aberta, - as janelas também-, não havia porque lhe dizer isto, tão pouco sei por que estou me lembrando disto..e há as crianças..Enfin..Pardon..

Non c´est nada! Rien! Rien..Riu-se a senhora! Alegro-me vraidardeiramente em ver tanta gente tão viva! Vivo só e a muito non recebo, pessoas..sont meus convidados de honra!

Non! Disse num susto, e já em pé, meu irmão..Non precisa, somos gratos, mas temos que arrivar à casa de um tio, onde nossos familiares nos esperam!!! A propos.. agradecemos sua amável oferta, mas seria melhor para nous, se soubesse nos indicar o caminho..Se non, ficariam nossos parentes muito apreensivos caso não chegássemos, e temos ainda estas crianças, como vê..

Sim , e estas crianças nem são nossas!, emendou em coro, minha ex-cunhada, cunhando a mesma expressão grave e assustada!

Mas chove! E não há como sortir d´içi, de noite.. as estradas non sont iluminadas..Et non sei desse lugar que procuram..

Sentaram os dois vencidos, fingindo concordar e agradecer a oferta...

A senhorinha some dentro da casa, e no mesmo instante uma das crianças resurge com a boneca nas mãos..

Meu irmão então furioso de dor e medo, agora grita à criança:

Já disse!Largue essa maldita boneca!

A fedelha, desta feita, deita a boneca delicadamente numa mesa de canto, no conto, neste conto que casualmente estás lendo..

Instantes depois, que nos pareceram uma eternidade, ou a própria eternidade!, naquele -suis generis - suspenso no espaço-tempo; temerário momento..Reaparece nossa forçosa e graciosa anfitriã..carregando um rico aparelho de chá, quase maior que ela própria, de porcelana de Sévres, repleta de gulodices..

Mas qui tolice a minha, esqueci de dizer mom nom..

Podem me apelar por Catarina!, em realidade: Catherine, como devem ter percebido sou francesca, mas fui criada no Haiti, minha mãe..Digo: Francesa!..Catherine Francesca de Bargeton..enchantada!

E vous-cês?

Todos se apressaram em responder, menos eu, que trêmulo o corpo, e bem fixa a vista, não tirava o esgueio d´olho da direção da mesa de canto, do conto, e a vislumbrava: vazia!!!

Ficou nítida, límpida e inequívoca, ao menos pra mim, a situação..
Voltei-lhe atrasado, arrasado e com um olhar extenuado, respondi:

Enchantado; Guillaume!

Tomamos o chá, comemos parvos, famintos do percursso, do percalço e do medo.

Todavia contra toda as expectativas, nesta viagem não odisséica, não houve catástrofe..

Acordamos num sobressalto, atordoados, sozinhos conosco mesmos, com o sol furando as cortinas dos olhos, e as retinas das janelas -que seguiam fechadas- e com a pequena boneca novamente em cima da mesa !!!







segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Poesia de investigação- Ou- Nuvens e dificuldades passarão-

São as nuvens mesmo de algodão!?
Se não; de que será serão?!

Se são,

Quero nelas morar
(confortavelmente meu esqueleto nelas enterrar)

Daí a viagem será serão..
consequência(s)
afluência(s)

Delícias da desgraça
Virtudes da descrença

O que vier virão

Minha mítica mística ítaca
que voa à toa displicente

Abutre que se debate que se debuta que se vê puta
Abutre que se vinga que me xinga que me nutre

Ulísses uivou, num crescendo, para uma lua crescente.

Destinado a errar pela rua..

Deste lado a verdade sempre nua
sempre tua sempre crua

Sonho de dia
de noite semi-morte

Com(o) um sopro
a vida,
e as nuvens,
passarão.

Um, dos Anjos (de)caído,
de nome Augusto disse
um dia redimido:

"Ah!Um urubu pousou
na minha sorte!"

O Estado Crítico Da Poesia!

O crítico vidente julga evidente
coisas que o autor sequer- ou não quer-
desconfia-

Poderia!?

Freud que se foda.
Freud que me morda.
Freud que se explique.

O poeta, de todo, de nada;
Deveria.

O autor nem sabia que esse crítico
vivia- elipsexistia!?

Quanto mais leio teoria
menos gosto, na prática-

Da práxis que é afinal, o que escrevo; enfim.

À ninguém nada não devo.

E se chegar a ter um dia, um só leitor..
A ele somente- só minto- reservo o direito,
e o esquerdo, de pensar sobre o que escrevo.

O que bem entender, ou o que mal chegar; a compreender.

O crítico que leia o inconsciente coletivo - com (d)efeito- dos que estão mortos.
Não dos que estão vivos!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

POE-$IA!?

Dê uma chance à Guerra!

Como dormir sossegado?

Sabedor de que o homem
é o gado...

(o homem é o lodo do impróprio homem)

Que 45 milhões vivem como refugiados
Que + de 1 bilhão nada não come...

Que o inimigo está dentro
e não ao lado-

Que o perigo mora ao largo.

Que ainda assim 'todos' dormem toscos os dias
imunes, indiferentes...calados...

Podes crer
Podes ver
Podes ser
Podes ter...

Certeza!

De que a paz
não me acalma

De que a 3ª Guerra Mundial
Será a da Alma!!!

De que o amigo
de meu inimigo
será meu amigo

Que a hipocrisia
encontra refúgio

Mas jamais - em mim-
encontrará
abrigo!

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

´Antena da Raça`!? *

Ezra
era mesmo
o leitor d´uma era!

De todos os lances
De todos os dados

-les hasard-

Traduzido por:
O Azar!

Ou até o sim; não
se tornar..

todos os transes
todas as transas
todas as fomes
todos os nomes

todas as tranças
todas as danças
todas as panças

todos os garbos
todos os rabos
todos os rasgos
todos os tragos
todos os trasgos
todos os estragos

todos os tédios
todos os remédios
todos os pequenos
todos os grandes
&
todos os médios

todos os mistérios
todos os cemitérios
todos deletérios

todos os nadas
todos os tudos
todos os estudos
todos os escudos
todos os ex-mudos

todos os túmulos
todos os cúmulos
todos os sumos

`Chaucer maior que Shakespeare!`

Mas mais erra ezra

Ao por antenas no poeta

O poeta tem é tetas!
de onde todas as bestas

sugam sua seiva
rugem sua selva
urgem sua relva
relam sua vulva

A vagina um meio ácido
O cérebro um meio flácido

Não! Ivo não viu a Uva!"

Ao poeta

A antena
serve
como luva.

HellCéU!

Arranquei afora-
a cabeça oca,

e ficou de fora
a careta louca.

suscitou a forma
de ternura pouca

O MUNDO NUNCA SERÁ
UM LUGAR MELHOR!

Ser humano
Animal menor-

Prefiro|Presinto

_morrer só_

fato estranho
fardo´entranho`

fogo-fátuo interno

Termino o poema
pra não rimar
com inferno!

InfelizCidade! *

De todas as gentes
que vem

De todas as festas
que tem

De todas as carnes moídas
que saem de todas as frestas

todas as curvas
todas as arestas

todos os caixeiros viajantes mortos
todos os homens que viraram suco

todos os produtos
e seus subprodutos

todo ódio
todo lucro

todo o tédio
todo o muco

Como um sol que se escolhe lua
ao se apagar a luz

(ao não se pagar a conta de luz)

Como bambu que se enverga
mas não se entrega
não se reduz
não se enxerga
não reluz

Como a madeira
que morre na fogueira
mas não vira cruz!

A cidade é um meio ambiente
inteiramente infeliz..

O mais caro metro CUadrado
de um lugar que nunca quis.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

POEMAS PUBLICADOS!!!

Um Corpo De Cólera! *

Sinto uma pontada
de frio
ponte de safena sem fio

-na ponta de meus dedos

sol poente em Adis Abeba, no Nilo Azul!
_Al Bahr Al Azraq_

A poesia já vem pronta
ou é apenas
uma afronta?!

-aos meus medos!?

É muito tarde
desde ontem
desde hoje
desde cedo

(Desdenho o desenho
das palavras)

&Ponto Final.

Natureza Morta!

Sonhei c´olhos perfurados
de uma mãe

casada castrada com um déspota
embotado

avis-rara
avistada pela primeira vez
ao lado d´um boto
desbotado

produzido na zona frança de manaus

fracamente me lembrei
´faca só lâmina`, sem anima; que só sei_

francamente tudo isso
me parece mais plausível

Q`a vida, sonho impossível!

acordei no escuro
no estômago um embrulho
no estômato autômato_orgânico coração_encouraçado Potemkin
estômago fígadofísicotísico arregaçado no desgraçado botequin
tateei procurei errei tentei encontrei toquei troquei
fria fina finalmente magristal & maquinalmente
o fusível

deitei rolei suei lutei elocubrei enrolei penei sonhei_imagens que nem sei_bem sei!
miragens que nunca se viu, ou se se ouviu falar; eu não ouvi-

Resonhei (n)o oculto

Merlin que sou mergulhei no horrível
Ascendi ao incognoscível

Pirata perfurado por escorbuto

sou-serei-sereia_hera úmida que morreu na praia, rasa rasteira crua cruel sorrateira
inacessível_

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

C.ontrações H.umanas U.lteriores V.aticínicas A.nálogas S.azonais

Podia tanto chover
chover a tarde inteira

chover na tarde derradeira

chover até não mais poder

chover a vida inteira

chover a minha maneira

chover até não mais chover

chover como puder
chover até onde couber

chover onde prover

chover até não mais existir poder

Do Fim_Ao Começo_*

No Ex-tômago
do ô mega_

Ex-Eu
Ex-Nome
Ex-Mudo
Ex-tudo
Exu

No autômato homem_

o homem
regojito

Do alto
Do alfa

A mulher
regojiza

- o rêgo
da negra
Jiza-

o Rei Negro
do rei
Coelho Neto

No âmago
Do âmago

Amargo
Poema

Ao lado
Do lado

Ao largo
Do tema

Desordem & Regresso!_à Anatole France_

Meu amor pelos tambores reais do Burundi
Com nenhum outro_se confundi

-Ao-oirártnoc-Ao-

Meu ódio
pelos
BuRRocratas-

Que no mundo acidental
De nós_cheio de nós_cheios de nós_

Ocidentais

Suas
normas
formas
firmas
formulários
regras
réguas
notários

regulações
imprecações


carimbos
selos
departamentos

_Aumento_mas não invento_

Me fode-
Me infunde-

Tenho
prenho
de certeza

`Como uma vela
fúnebre de cera`

Cega-Cabra
Ou
Bode-expiatório

Sem nome
Sem profissão

Sem firma
No cartório

Certa
Seta
Reta

A Sua total destruição como meta!!!

Absoluta-

Luto Eu
Lutas Tú

De Luto_Esperamos_

Entra ano
sai pelo ânus-

Que a despeito do que dizem café
-não é fruta-

E leis
Não Não Não São Razão Irresoluta!

Levanta-te e luta!

Estamos afogados
em corrupção-desilusão-inanição-inação

enquanto povo-
enquanto nação-



quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Da Série_Estudos Espúrios_

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS








LITERATURA BRASILEIRA: O CONTO ROMÂNTICO





















GUILHERME FERNANDES GARCIA- 2008050577-




Imbuído do espírito dos mestres comparativistas franceses, e estudioso da matéria que fui e sou, todavia a partir da visão do professor fundador da disciplina análoga que é ao proposto; Antônio Candido. Não poderia furtar-me à citação de seu luminoso nome, por ter tido a bondade de trazer sua luz a esta disciplina; luz de um sol brasileiro.

É preciso continuar, para fins de exercício, e afastado o aparente ufanismo, citar ainda a figura da professora Tânia Carvalhal, que organizadora de muitos textos fundamentais da literatura comparada, que é, junto ainda de Eneida Maria e Wander Melo, mais aqui pra chega dos nossos..

Dizem em Perspectivas Da Literatura Comparada No Brasil, que:

“ A idéia de dependência cultural sempre norteou os estudos relativos ao espaço ocupado pela literatura brasileira no confronto com outras literaturas, sobretudo as de matriz européia. Por razões de ordem histórica e cultural, o legado europeu foi determinante na constituição da tradição literária nacional, nela inserindo um quadro teórico nitidamente marcado pelas noções de influência. Dessa perspectiva, a história da literatura no Brasil fez-se como um processo progressivo de emancipação de formas oriundas da Metrópole. Assim é que a construção de uma identidade cultural brasileira aponta, principalmente a partir do Romantismo, para a superação do assujeitamento ao imaginário europeu, sem abrir mão, no entanto, do desejo de continuar compartilhando dos valores ocidentais.”

Citação primordial e que introduz e diz a que veio, e o que veio a ser, a literatura brasileira pós, e com o romantismo..E a que vim, aqui nestes 'pedaços de papel' inscrever -me inscrever, numa espécie de tradição transgressora e antropofágica..De uma compreensão às avessas de dois textos, uma narrativa romântica, de um autor irlandês, pautada na tradição da novela gótica, e a um pequeníssimo, e grandioso a um só tempo; conto romântico de autor brasileiro..

Que por suas vezes e vieses, são: Carmilla, de Joseph Thomas Sheridan Le Fanu (1814-1873), poeta e autor de contos no gênero de horror, nascido em Dublin, Irlanda..-inserido numa tradição folhetinesca, uma vez que seus contos, no qual Carmilla se incluiu, terem sido publicados numa coletânea, entre os meses de dezembro de 1871 e março de 1872..

E nosso..Casimiro, poeta|contista..

Vale ressaltar, talvez e tão somente, à título de curiosidade literária que por desconhecidas que são, as novelas góticas, os contos fantásticos e de terror, das pessoas em geral, e da academia como um todo..no início da tradição literária vampiresca da língua inglesa, e tal como veremos em Carmilla, mas não em Camila! -o tema do lesbianismo!, tema este que suscita-se, 'surgiu' no poema Christabel (1816) de Coleridge, tido como um dos primeiros poemas de vampiro, a tratar do sexo e do sangue como elemento de intimidade absoluta..Vemos por exemplo tal questão abordada em Carmilla no suposto-evidente lesbianismo da personagem. Sendo, com isso a comparação que teço, acerca de tamanha intimidade, tal qual temos filosoficamente, com a do casamento, tema almejado -ou sonhado como queiram-, em Camila, pelo personagem "principal”..Casamento, instituição que dentre nós ocidentais é tida como uma espécie de entrelaçe sanguíneo, e que teria uma pseudo eternidade intrínseca à ele; ainda que nos dias de hoje tenha perdido tal força, significado e ou caráter.

É mister citar ainda, e para fecharmos essa breve explanação a cerca do vampiro literário; um romance britânico do século dezenove, que saiu em cento e nove capítulos semanais em meados de 1840 chamado: VarNey -O Vampiro, escrito por James Malcolm Rymer. Posteriormente compilados num volume de oitocentas páginas. É considerado o primeiro romance de vampiro na língua inglesa e o primeiro de ficção..desde o conto original de John Polidori: O Vampiro, por muitos tido como de autoria de Lord Byron..!?

Entretanto e sem grandes dúvidas, foi na Alemanha que esta literatura nasceu com aquele que é sim e finalmente, considerado o primeiríssimo poema, do que se entende por “Vampíro Literário”: O pequeno poema: “Der Vampyr”, de Henrich August Ossenfelder (1748), seguido por Goethe, Gautier, Hoffmann, dentre outros..


Uma vez traçado os parâmetros, vamos ao que viemos!

Gostaria de, em este exercício livre que me foi proposto e a muito gosto, tentar estabelecer algumas similaridades entre o Carmilla de Le Fanu, e o Camila, de Casimiro.

Entretanto e de pronto; e o isto sim, muito a contragosto, por uma questão fundamental que a paixão às similaridades entre ambos os contos, que de pronto vi; me suscitaram..devo mui gravemente confessar não haver me apercebido de um pequeno-enorme!,"detalhe?"; assaz fundamental..

O de que o conto de Casimiro, para minha surpresa e espanto, é anterior ao de Le Fanu!

Constatação que se efetivou depois de projeto e desafios lançados, e que deu uma espécie de nó de marinheiro, no que me sobrou, de herança, como cérebro..

Passado o susto inicial, e alguns dias depois de leituras exaustivas das duas obras, trabalhos relativos à literatura comparada, cerne e força motriz do que pretendo aqui começar a desenvolver..

Cheguei a seguinte conclusão: Fazer uma espécie de análise, sob a luz do conto romântico mundial, e a partir, é claro, do nosso Casimiro e de sua Camila, através das premissas da literatura comparada..Tudo isso de “trás pra frente“, tentando entender como e se, Casimiro teria tido contato com algum dos poemas, romances ou contos que citei acima, à guisa de introdução ao tema, uma vez que não posso imaginar Sheridan lendo Casimiro!

E sobremaneira não consigo desassociar as “ terríveis”, sem duplo sentido; coincidências, que não só os nomes das obras me suscitam, mas e sobretudo algumas outras questões que vou logo pontuar e desenvolver..

Todavia fica e finda nesta linha a problemática que surgiu.

Prosseguindo em tal empresa, e aos olhos de muitos já por essas alturas desacreditado, entro no cerne da questão que por absoluta falta de juízo ou inteligência persigo e sigo tratando.

Pois muito bem, já no subtítulo;ou melhor, digo: já no título temos uma questão que é bastante próxima de uma das idéias do conto de Le Fanu..

-a propósito farei um breve resumo da história para aqueles a quem ela for desconhecida e por ser de todo de nós oriunda; de uma tradição menos trabalhada-



_Carmilla é o “personagem principal”, ou aléphico, deste grande conto ou curto romance.

A história se passa na Styria, onde Laura, a heroína e narradora, filha de um funcionário público aposentado que consegue comprar um castelo abandonado por uma pechincha, castelo este pertencente a dinastia amaldiçoada dos Karnstein, razão direta do baixo preço da proppriedade. Originalmente o nome de Carmilla era Mircalla Karnstein, por parte de mãe, Laura era uma descendente dos Karnstein, sendo inexplicavelmente desde os seis anos, atormentada por terríveis pesadelos onde uma mulher perfurava-a com duas agulhas.

Aos dezenove, após um “ acidente” em frente ao castelo, onde a carruagem que trazia Carmilla se esborralha..O pai de Laura correndo em socorro oferece que elas se hóspedem, todavia à mãe de Carmilla, Condessa Karnstein, urge seguir viagem e a “deixa” sob os cuidados da família de Laura, que ao vê-La imediatamente a reconhece como sendo a mulher dos sonhos!, e assim o vampiro está de volta, agora visitando-a na forma de um gato e de um fantasma..

Começa a história!

Como dizia, e a primeira associação que faço com tal conto e tais histórias da tradição literária do vampiro, é a do subtítulo da obra de Casimiro que é : Memórias de uma virgem, pois é sabido por todos os estudiosos de vampiros, e tem-se historicamente comprovado através da pessoa da Condessa Elizabeth Bathory (1560-1614), da Bratislava, considerada uma vampiro verdadeira , acusada de matar mais de 650 garotas virgens, condenada a prisão perpétua em seu próprio castelo de Cachtice, conforme registro, e tendo sido criada em Ecsed, na Transilvânia; que o vampiro prescinde de uma virgem, de sangue de pureza virginal, para satisfazer seus intentos..

Sigo em minha ilusão que em tudo o mal enxerga, e percebo na segunda página o nome de um escritor que desconheço, mas que o Titulo de sua obra significou mais uma constatação de alguma possível relação com o horror e o fantástico na literatura, gêneros que nunca me pareceram serem de interesse do mestre Casimiro; ele cita o romance: O Gênio Do Mal, de um tal Arnaldo Gama.


Mais afeito que sou ao gênero de horror, lembro-me imediatamente de uma referência a Sheridan, que ao final de sua vida teve sua obra compilada em 52 volumes e foi tido como o Gênio Do Mal.

Na mesma página e tão somente para seguirmos com o que muitos diriam se tratar de um besteirol, temos um relógio batendo onze e meia, última soada antes da meia noite e o personagem principal do conto amaldiçoando e dizendo:

“Maldito Relógio, viestes desfazer o meu poético Castelo!” No que poderíamos mais uma vez relacionar ao castelo, mais diretamente o da Família karnstein e ou a qualquer outro castelo recorrente na literatura gótica, mas salvo ledo engano; não tão, na tradição de nossos contos.

Prossigo com o absurdo, quando leio na página três de Camila, donde o narrador vem exaltando as belezas do Porto e diz:

“E a lembrança do vapor do Porto cruzou-me no pensamento e inclinei-me insensivelmente sobre o abismo para recolher um gemido, um ai pungente de agonia de alguma vítima, ou para descobrir as formas graciosas dessa donzela pálida que as ondas engoliram, no que em ambos destaques em negrito por mim grifados, temos inferências diretas a drenagem parcial ou total do sangue das vítimas dos vampiros, e acrescentaria sem medo de ser dado como completo insano, não somente do vampiro lendário, mas daqueles que a psicologia chama de vampiro de almas, que exaurem suas vítimas psicologicamente levando-as a loucura ou perda da tenacidade e coloração da tez.

Sigo na ordem em que o texto flui, chegando ao ponto máximo de minha comparação, onde em meu entender se torna absurdamente claro o caráter vampiresco da personagem Camila, de Casimiro De Abreu, pois na página cinco, a penúltima do conto, e depois de acalorado debate entre os personagens principais, o que de todo, depois da própria Camila; ser o único, que possui nome, e de nome se tem o este por Ernesto; Diz:


“ No entanto, acrescentou ele pensativo, há uma cousa que me intimida. Esta mulher tem querido esposar três rapazes, e todos os três morreram horas antes da festa nupcial: da quarta vez dizem que morre ela, mas pode muito bem suceder ao contrário..”

Mais uma vez e uma vez mais e por todas as vezes, agora afirmo, já havendo desistido de ganhar qualquer credibilidade por parte dos mais crédulos, mas que por incrédulo que fores duvido que duvide da proximidade desta constatação com toda e não somente com a Carmilla de Le Fanu, que em verdade não mata nenhum homem; inúmeras , recorrentes e ancestrais histórias de vampiro, desde as mais antigas na Índia, os contos do vampiro indianos de autor anônimo até os citados por mim no começo deste devaneio literário romântico.

Não satisfeito identifiquei ainda outra correlação com um mito fortíssimo na mesma página onde em uma sequência, no primeiro e segundo; dos quatro últimos parágrafos. O narrador principal, digamos, declara:

“ Cruzei um segundo os meus olhos com os dela, e aquele olhar terno e lânguido fez- me mal (...) Teria dado metade da minha vida por um beijo daquela mulher; teria dado minha alma..”

Daí discorro a respeito da atração hipnótica que o vampiro encerra em seu olhar, do enfraquecimento do espírito frente a sua presença diabólica, da questão dos mortos vivos, quando ele fala a segunda frase; sobre metade de sua vida..

Inda faltou me coragem para tratar de detalhes ainda menores, mas como imagino que a esta altura já estejam as crianças dormindo e os professores cochilando, arriscaria pontuar que, e voltando a página três onde o narrador pragueja contra um pobre homem que lhe puxa conversa, dizendo:

“Para onde Diabo havia eu de ir senão para o Porto! Só se me viesse a breca, porque nesse caso ia para o outro mundo.”

Sem fôlego para enxergar mais nenhum disparate e confesso sem mais muitos argumentos, se é que tive algum de fato, dou esse pesadelo por encerrado, o semestre por concluído e meus agradecimentos por registrados!



REFERÊNCIAS BIBILOGRÁFICAS



CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 2006.

LE FANU, Sheridan. Carmilla. Baixado na íntegra em suas 79 páginas da internet.

ABREU, Casimiro de. Camila. Baixado na íntegra em suas seis páginas da internet.

MELTON, J. Gordon. O Livro Dos Vampiros ( A enciclopédia dos mortos vivos). São Paulo: M. Books, 2003